G7 pede à Venezuela que resolva sua crise interna com respeito aos direitos

Ise-Shima (Japão), 27 mai (EFE).- Os líderes do G7 pediram nesta sexta-feira ao governo da Venezuela que trabalhe no diálogo com seus cidadãos para resolver "urgentemente" a crise econômica e política que atinge o país, "respeitando os direitos e liberdades fundamentais".

Em declaração conjunta adotada hoje na cúpula de Ise-Shima, no centro do Japão, os líderes das sete países mais industrializadas do mundo solicitaram que o Executivo do presidente Nicolás Maduro "respeite os direitos fundamentais, os processos democráticos, as liberdades e o Estado de direito" para "proporcionar acesso a julgamentos justos e a procedimentos adequados".

Os líderes de Alemanha, Canadá, Estados Unidos França, Itália, Japão, Reino Unido e da União Europeia pediram ao país sul-americano que "estabeleça as condições que permitam o diálogo entre o governo e seus cidadãos, a fim de encontrar meios pacíficos para resolver a crescente e aguda crise econômica e política, respeitando a vontade do povo".

A Venezuela se encontra imersa em uma profunda crise política diante dos constantes atritos entre o governo central e o parlamento nacional, que é controlado pela oposição.

Nesse sentido, o G7 pediu a ambas as partes que "trabalhem urgentemente em conjunto" para conseguir uma solução para a crise. EFE

ahg-mra/rpr

(foto)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos