Câmara dos EUA estende sanções contra funcionários do governo da Venezuela

Washington, 6 jul (EFE).- A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta quarta-feira um projeto de lei para estender as sanções impostas a alguns funcionários do governo da Venezuela até 2019, restrições já vigentes e que estavam programadas para expirar no final deste ano.

Dessa forma, o Congresso decidiu ampliar a lei impulsionada em 2014 pelo senador republicano Marco Rubio e pelo senador democrata Robert Menéndez que congela ativos em território americano e os vistos de alguns dos membros do Executivo de Nicolás Maduro, assim como de outros já não ocupam mais cargos oficiais.

O Senado já tinha dado sinal verde à medida no último mês de abril, com o que, após a aprovação de hoje, só resta a rubrica do presidente Barack Obama, que não se opõe à medida.

A lei ordena a imposição de sanções contra funcionários atuais ou anteriores do regime venezuelano e aqueles que atuem em seu nome e que tenham cometido "atos significativos de violência ou abusos graves dos direitos humanos contra manifestantes pacíficos e outros civis inocentes".

O senadores Rubio e Menéndez impulsionaram a lei original, que foi aprovada no Congresso no final de 2014 após vários meses de polêmicas com o governo de Obama, que então não era partidário de impô-las em meio a tentativas de diálogo dentro do país.

No entanto, em vista do aumento das tensões, o presidente assinou sua promulgação e, além disso, ampliou em março de 2015 o alcance dessa lei, emitindo uma "emergência nacional" perante a situação convulsa do país caribenho e estendendo a lista de sujeitos sobre os quais recaem as sanções, uma medida que prorrogou por um ano a mais no mês passado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos