Após indiciamento, Justiça proíbe Cristina Kirchner de vender ou hipotecar bens

Em Buenos Aires

  • Marcos Brindicci/Reuters

O juiz federal Claudio Bonadio ditou a inibição geral de bens da ex-presidente da Argentina, Cristina Kirchner (2007-2015), na causa pela qual foi indiciada nesta quarta-feira e que investiga a venda de contratos futuros de dólar durante seu mandato, informaram fontes judiciais.

Esta medida cautelar afeta todos os bens imóveis e móveis registráveis, o que impede que possa vendê-los ou hipotecá-los.

Segundo informou a agência estatal de notícias "Télam" com base em fontes judiciais, o magistrado determinou esta medida assim que Cristina chegou ao tribunal federal em Buenos Aires para ser notificada do processo e do embargo de 15 milhões de pesos (cerca de R$ 3,3 milhões).

No último mês de maio Bonadio havia ditado estas medidas no marco de um expediente que investiga supostas irregularidades nessas operações no Banco Central na parte final de seu governo.

O juiz entende que, da diferença entre o preço pactuado e o do mercado da venda de dólares no mercado futuro, foram registradas perdas milionárias para a entidade bancária.

Por essa razão, o juiz decidiu abrir este processo penal contra a ex-presidente e outros ex-funcionários de seu Executivo pelo crime de "administração infiel em prejuízo da administração pública, no marco da causa pelo dólar futuro".

O caso se iniciou em 2015 após uma denúncia formulada pelos então legisladores opositores Mario Negri, da União Cívica Radical, que integra o hoje bloco governista Cambiemos, e Federico Pinedo, atual presidente provisório do Senado do país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos