Rússia se dispõe a negociar criação de zonas de segurança na Síria com os EUA

Em Moscou

  • Ammar Safarjalany/Xinhua

    Homem aponta para os destroços do prédio onde morava, em Aleppo, na Síria

    Homem aponta para os destroços do prédio onde morava, em Aleppo, na Síria

A Rússia afirmou nesta segunda-feira (30) que está disposta a negociar a criação de zonas de segurança na Síria, uma proposta feita pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, desde que a medida realmente habilite acampamentos para os civis e que seja feita em acordo com o regime de Bashar al Assad.

"Vamos esclarecer com os colegas americanos os detalhes dessa ideia", disse em entrevista coletiva à imprensa o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, que elogiou a proposta de Trump como uma tentativa de "dar alguns passos para aliviar a carga migratória" sofrida pela Europa e os países vizinhos da Síria.

"Seria preciso pensar em criar zonas de residência para os deslocados dentro do território sírio, além de acertar todos os detalhes práticos e a própria criação dessas zonas de segurança com o governo da Síria", afirmou Lavrov.

A proposta de Trump, segundo o chanceler russo, é diferente das feitas em períodos anteriores pelos EUA, quando o presidente ainda era Barack Obama. O republicano, que assumiu o poder em 20 de janeiro, determinou que o Departamento de Estado elabore um plano para criar as zonas de segurança em até 90 dias.

"Eles propunham na época criar no território sírio uma espécie de local para instalar um governo alternativo e usá-lo para derrubar o regime", afirmou Lavrov.

Atualmente, os únicos acordos entre Rússia e EUA sobre a Síria se limitam a evitar incidentes entre aviões e contingentes militares que os dois países mantêm no país. O chanceler lembrou que Al Assad considera ilegal a intervenção da coalizão internacional liderada pelos americanos no território sírio, mas disse que o Kremlin aberto a aceitá-la com duas condições.

"Se eles realmente lutarem contra o Estado Islâmico e a Frente al Nursa, e se a coalizão coordenar suas ações com a Rússia. Estamos dispostos a dialogar em qualquer momento sobre a cooperação. Há possibilidades ilimitadas na Síria, desde que haja vontade política e disposição de nossos militares em transformar essa vontade em fatos concretos", destacou.

O chefe da diplomacia russa lembrou que no ano passado os militares dos dois países já firmaram um acordo para compartilhar dados de inteligência para localizar e bombardear alvos jihadistas em território sírio.

"Mas, no último momento, quando todos os acordos já estavam fechados, o governo Obama não teve forças para esquecer seus objetivos preconceituosos sobre a Rússia", disse Lavrov.

Após a chegada de Trump à Casa Branca, o chanceler russo disse que há possibilidade para um "diálogo profissional" entre os militares do país e dos EUA, com o objetivo de "elaborar medidas concretas para acabar com os terroristas na Síria".

Trump e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, conversaram no sábado pela primeira vez após a posse do republicano e acertaram no coordenar a luta contra os grupos terroristas na Síria.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos