Goberno e oposição têm "responsabilidade histórica" de conseguir paz na Síria

Genebra, 23 fev (EFE).- O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, advertiu nesta quinta-feira que as delegações do governo e da oposição que se reúnem em um novo processo diplomático em Genebra têm "a responsabilidade histórica" de conseguir a paz no país árabe.

"Esta é uma oportunidade e vocês têm a responsabilidade de encontrar um entendimento. Têm uma responsabilidade histórica de não condenar gerações futuras a mais anos de um conflito sangrento", disse De Mistura em uma cerimônia de boas-vindas às partes em conflito.

No ato participaram as duas delegações, a governamental e a que reúne a oposição política e as facções militares, que pela primeira vez se sentaram em uma mesma sala, dado que nas negociações anteriores os contatos foram sempre indiretos.

Na primeira fila da delegação governamental estava o embaixador da Síria perante a ONU, Bashar al Jaafari, que é o chefe negociador do regime.

No lado oposto se sentava Nasser Hariri, o novo chefe de delegação da Comissão Suprema das Negociações (CSN), que agrupa a oposição.

De Mistura insistiu no fato de que, apesar da composição da CSN ser mais plural desta vez - inclui 50% de representantes de grupos armados e formações menos críticas ao regime -, os opositores ainda devem fazer mais esforços para unificar posturas.

O mediador comentou que se o processo de diálogo avançasse, poderia "deixar de ver violações maciças de direitos humanos, deixar de ver milhares de pessoas abandonando seus lares e sua pátria, deixar de ver como cresce o terrorismo".

Esta é mais uma das inúmeras rodadas de negociação sobre a Síria, em um esforço diplomático patrocinado pela ONU para tentar dar fim a uma guerra, que em breve entrará em seu sexto ano e que matou 400 mil pessoas e deslocou metade da população do país.

A última tentativa fracassou em abril do ano passado por conta das incessantes violações ao cessar-fogo em vigor naquele momento, por isso De Mistura pediu às partes que se estimulem.

"Temos muito trabalho a fazer e o trabalho deve começar agora, há muito a fazer enquanto a cessação das hostilidades se mantém", disse.

"Caso contrário veremos mais atrocidades, mais refugiados, mais terrorismo", repetiu o enviado especial da ONU, que lembrou que aos sírios o que interessa é que "o pesadelo acabe".

De Mistura ressaltou que o conflito sírio se expandiu à região e ao mundo e indicou que na sala se encontravam os representantes do Grupo Internacional de Apoio à Síria - ISSG, que agrupa países com influência e interesse na Síria - "para mostrar o compromisso da comunidade internacional com o fim da guerra e uma saída política".

O diplomata assumiu que "não espera milagres" e que o caminho "não será fácil", mas se mostrou convencido de que o diálogo pode prosperar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos