Senadores confirmam que interrogarão genro de Trump em caso sobre a Rússia

Washington, 29 mar (EFE).- Os líderes da Comitê de Inteligência do Senado dos Estados Unidos confirmaram nesta quarta-feira que interrogarão Jared Kushner, genro e assessor do presidente do país, Donald Trump, na investigação sobre a interferência da Rússia nas eleições de 2016 e sobre os possíveis laços do Kremlin com a campanha do republicano.

"O alcance desta investigação chegará até aonde as informações de inteligência nos conduzam", afirmou o presidente do Comitê de Inteligência do Senado, o republicano Richard Burr, em entrevista conjunta com o vice-presidente do órgão, o democrata Mark Warner.

"Chegaremos até o fundo deste assunto", ressaltou Warner.

Kushner, disse Burr, faz parte das 20 pessoas que serão ouvidas a portas fechadas pelos senadores na próxima semana. No entanto, o nome do genro de Trump é o único que vazou aos jornalistas.

A Casa Branca já tinha antecipado na segunda-feira que Kushner testemunharia voluntariamente sobre seus contatos com funcionários russos no Comitê de Inteligência do Senado.

Segundo Burr, o marido da filha mais velha do presidente, Ivanka Trump, será interrogado "quando saibamos o que devemos perguntar". O senador afirmou que sete profissionais estão analisando uma quantidade "sem precedentes" de documentos de inteligência para descobrir se há vínculos entre os russos e a campanha de Trump.

No entanto, o presidente do Comitê de Inteligência antecipou que uma revisão inicial das informações secretas só será concluída em algumas semanas, já que a primeira audiência pública com especialistas em política externa ocorrerá apenas amanhã.

Na entrevista coletiva, Burr e Warner tentaram garantir publicamente a independência e a integridade do trabalho no Senado, enquanto surgem dúvidas sobre a imparcialidade das investigações paralelas realizadas pela Câmara dos Representantes.

O presidente do Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes, o republicano Devin Nunes, foi criticado por correligionários e democratas por sua falta de independência.

Na semana passada, Nunes foi sozinho à Casa Branca, sem avisar os outros membros do comitê. Em entrevista coletiva, ele afirmou que informou o presidente sobre a possibilidade de suas comunicações terem sido interceptadas de maneira indireta enquanto agentes americanos espionavam outras pessoas.

As declarações do congressista serviram para Trump reforçar as denúncias contra o ex-presidente Barack Obama (2009-2017), a quem acusou de ter ordenado instalar grampos na Trump Tower de Nova York. As afirmações geraram grande polêmica por terem sido feitas sem nenhuma prova.

O fato de Nunes ter se reunido com uma fonte na Casa Branca e ter recebido lá informações confidenciais despertou dúvidas sobre sua independência em relação ao governo.

Além das duas investigações no Congresso, o FBI também analisa a interferência russa nas eleições.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos