Vítima de atropelamento nos EUA queria deter o ódio e acabar com a injustiça, diz mãe

Em Charlottesville (EUA)

  • Reprodução/Facebook

    Heather Heyer, 32, morreu após ser atropelada durante protesto contra supremacistas brancos

    Heather Heyer, 32, morreu após ser atropelada durante protesto contra supremacistas brancos

A mulher morta após ter sido atropelada no último sábado (12) por um homem que avançou com um carro contra manifestantes que protestavam contra uma marcha supremacista branca na cidade de Chalottesville, no Estado da Virgínia, nos Estados Unidos, foi identificada como Heather Heyer, de 32 anos.

Heyer, assistente de um escritório de advocacia local e moradora da cidade, foi "atropelada por um veículo quando exercia pacificamente seu direito à liberdade de expressão", disseram as autoridades de Charlottesville em comunicado.

"Esse ato de violência sem sentido rasga nossos corações", completou a nota.

As autoridades afirmaram que Heather foi morta quando "cruzava a rua". No entanto, amigos e familiares citados pela imprensa americana indicavam que ela participava do protesto contra a manifestação racista realizada na cidade.

James Alex Fields Jr., um homem branco, de 20 anos, foi propositalmente em direção aos manifestantes que protestavam contra a marcha supremacista, que criticava a retirada de uma estátua do general confederado Robert E. Lee da cidade. O general, um dos comandantes das forças sulistas na Guerra Civil americana, é considerado um símbolo da defesa da escravidão e do racismo.

A mãe de Heather, Susan Bron, disse à imprensa local que sua filha era uma pessoa muito preocupada pelos problemas sociais e que tinha ido à manifestação porque queria "combater a injustiça".

"Heather não era movida pelo ódio, mas sim para deter o ódio, acabar com a injustiça", afirmou a mãe da vítima ao site "HuffPost".

Susan, no entanto, disse que não deseja que a morte da filha se transforme em motivo para gerar mais ódio. "Quero que seja um clamor pela justiça, igualdade, equidade e compaixão", afirmou.

O prefeito de Charlottesville, o democrata Mike Signer, disse neste domingo (13) que o atropelamento, que deixou também mais de 19 feridos, alguns deles hospitalizados em estado crítico, foi um ato de terrorismo.

James Field, acusado de homicídio em segundo grau por sua ação, era um dos milhares de manifestantes da marcha ultranacionalista e supremacista branca convocada para "Unir a direita". Entre os participantes do ato estava o ex-líder do Ku Klux Klan David Duke.

Antes do atropelamento, vários incidentes entre os supremacistas e os manifestantes antirracismo já tinham sido registrados.

Além de Heather, dois agentes da polícia estatal morreram após a queda do helicóptero no qual estavam para realizar um trabalho de vigilância da cidade durante os protestos.

IMAGENS FORTES - Carro atropela manifestantes na Virgínia

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos