PUBLICIDADE
Topo

Internacional

EUA apoiam Iraque "unido" após referendo de independência no Curdistão

25/09/2017 23h00

Washington, 25 set (EFE).- O governo dos Estados Unidos expressou nesta segunda-feira seu apoio por um Iraque "unido" após o referendo de independência realizado no Curdistão iraquiano, ao qual Washington tinha manifestado sua oposição.

"Os Estados Unidos apoiam um Iraque unido, federal, democrático e próspero e seguirão buscando oportunidades para ajudar os iraquianos a cumprir suas aspirações no marco da Constituição", afirmou em um comunicado o Departamento de Estado americano.

Além disso, Washington demonstrou sua oposição a "violência ou movimentos unilaterais de qualquer parte para alterar as fronteiras".

Apesar de mostrar uma "grande decepção" pela decisão do governo regional do Curdistão, presidido por Masud Barzani, de fazer o referendo apesar de sua oposição, Washington disse que manterá a histórica aliança que lhes uniu até agora.

"A histórica relação entre os EUA e o povo da região do Curdistão iraquiano não mudará por conta do referendo não vinculativo de hoje, mas acreditamos que este passo aumentará a instabilidade e as dificuldades para a região e sua gente", apontou o Departamento de Estado americano no comunicado.

Os Estados Unidos disseram ainda que "todas as partes deveriam comprometer-se a manter um diálogo construtivo para melhorar o futuro de todos os iraquianos, mas advertiu ao Curdistão que o referendo "complicará enormemente" sua relação com Bagdá e com os países vizinhos.

Washington e outras potências ocidentais como França, Alemanha e Reino Unido se opunham à realização do referendo por considerarem que a unidade do Iraque é fundamental para derrotar o Estado Islâmico (EI).

No comunicado, os Estados Unidos advertiram precisamente que "grupos extremistas" como o EI pretendem "explorar a instabilidade e a discórdia" criada pelo referendo.

Mais de 5,3 milhões de curdos estavam convocados a responder hoje à pergunta: "Você quer que a região do Curdistão e as áreas curdas fora da administração da região se transformem em um Estado independente?".

Internacional