Manifestações na República Democrática do Congo deixam 4 mortos

Kinshasa, 26 fev (EFE).- Pelo menos quatro pessoas morreram após os protestos de ontem contra o presidente da República Democrática do Congo (RDC), Joseph Kabila, marcados por fortes confrontos com a polícia, segundo o último balanço divulgado nesta segunda-feira pelos grupos católicos que organizaram as manifestações.

Fontes da Igreja Católica consultadas pela Agência Efe explicaram que uma das mortes aconteceu a capital, Kinshasa, outra na província de Alto Uele e duas na região nordeste do país.

No entanto, a versão da polícia, oferecida por seu porta-voz, o coronel Mwana Mputu, rebaixa o balanço para dois mortos e quatro feridos em Kinshasa.

Por sua vez, a missão da ONU na RDC, a MONUSCO, falou ontem em dois mortos, 47 feridos e centenas de detidos.

A proposta dos católicos foi apoiada por vários grupos da sociedade civil, apesar da oposição do governo, que se negou a autorizar as manifestações.

Em localidades como Lubumbashi, Kisangani e Kalamu, houve repressão com uso da força e de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes, segundo a emissora da ONU no país, "Radio Okapi".

Kinshasa amanheceu com uma forte presença policial e militar e foi palco de momentos de muita tensão, como no assédio por parte das forças de segurança a igrejas nas quais estavam os manifestantes.

Além disso, os serviços de internet e mensagens telefônicas foram bloqueados na capital.

O governo de Joseph Kabila enfrenta a uma crescente tensão social pela sua permanência no poder desde a morte de seu pai, Laurent Kabila, em 2001.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos