Topo

Familiares de vítimas de avião malaio recorrerão ao Tribunal de Estrasburgo

2018-05-25T10:45:00

25/05/2018 10h45

Haia, 25 mai (EFE).- Um grupo de 270 familiares de vítimas do avião da Malaysia Airlines (MH17) que caiu no leste da Ucrânia em 2014, anunciou nesta sexta-feira que processará a Rússia perante o Tribunal Europeu de Direitos Humanos, em Estrasburgo.

Segundo o advogado Jerry Skinner, especializado em temas aeronáuticos e que há dois anos também apresentou uma demanda em representação a algumas vítimas da Malásia, Austrália e Nova Zelândia, entregará a denúncia "como máximo em 13 de junho".

Neste grupo há parentes de mais de 100 holandeses mortos no desastre do MH17, a nacionalidade com mais vítimas na ocasião da queda do avião em 17 de julho de 2014.

Há dois anos, Skinner se encarregou de levar a demanda de 33 parentes ao Tribunal Europeu, um caso que ainda segue em estudo nesta Corte.

A Equipe de Investigação Internacional, formada depois do desastre, confirmou ontem que o sistema de mísseis aéreos que derrubou o avião da Malaysia Airlines pertencia a uma unidade militar russa, que o transferiu desde Kursk (Rússia) até Donetsk (Ucrânia) um mês antes do ataque.

A queda do avião matou 298 pessoas, na maioria holandeses (193), australianos (27) e malaios (43).

Holanda e Austrália decidiram hoje "responsabilizar formalmente" a Rússia pela "participação" na queda do MH17 e exigiram cooperação com as investigações para "buscar a verdade e a justiça" para as famílias das vítimas.

Mais Internacional