PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Maioria de vítimas de tráfico cruzam pontos fronteiriços oficiais, diz OIM

30/07/2018 09h26

Genebra, 30 jul (EFE).- A maioria das vítimas de tráfico internacional cruza pontos fronteiriços oficiais, seja aeroportuários, marítimos ou terrestres, disse nesta segunda-feira a Organização Internacional para as Migrações (OIM) por conta do Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas.

De acordo com os dados manejadas por esta organização, nos últimos dez anos quase 80% das viagens realizadas por vítimas de tráfico internacional foram atravessando pontos fronteiriços oficiais.

Embora o tráfico seja considerado uma atividade clandestina vinculada à migração irregular, oculta para as autoridades e o público em geral, os dados da OIM apontam na direção contrária, destaca a organização em comunicado.

"Isto ressalta o papel crucial que podem desempenhar as agências fronteiriças e os provedores de serviços nos pontos fronteiriços para identificar as vítimas potenciais e dá-las em proteção e assistência", recalca.

As mulheres são mais suscetíveis a serem alvo de tráfico ao passar por um posto fronteiriço oficial do que os homens (84% dos casos frente aos 73% dos homens), segundo a OIM.

Os adultos também têm mais probabilidades de ser vítimas do tráfico ao atravessar pontos fronteiriços oficiais do que os menores (80% dos casos frente aos 56% de menores).

Em dois de cada três casos de tráfico humano, a vítima é alvo de exploração em algum momento durante a viagem, segundo a OIM.

No entanto, uma de cada três pessoas provavelmente ignora que está sendo vítima de tráfico e acredita ter novas oportunidades no exterior, como lhes é prometido.

Os números da OIM se baseiam na análise de casos nos últimos 10 anos, que incluem cerca de 10,5 mil viagens realizadas por quase 8 mil vítimas.

Para esta organização, os dados "demonstram que os governos devem desenhar e aplicar procedimentos sólidos de gestão fronteiriça que sejam sensíveis às vulnerabilidades e necessidades de proteção dos imigrantes".

Também são necessários, segundo a OIM, "sistemas bem estabelecidos para garantir que as vítimas de violência, exploração e abuso sejam identificadas e dirigidas para os serviços adequados".

É igualmente importante seguir com a capacitação dos provedores de serviços nos postos fronteiriços dos países de partida e destino, como o pessoal do aeroporto, das linhas aéreas e ferroviárias, assim como desenvolver procedimentos de comunicação e informação com as autoridades locais, recalca.

Aproveitar a tecnologia nos pontos fronteiriços, sugere a organização, também poderia contribuir para melhorar a coleta de dados, o que por sua vez pode ajudar a melhorar a análise de riscos e conseguir a identificação mais fácil e em tempo real.

Internacional