PUBLICIDADE
Topo

Guaidó não descarta futura anistia a Maduro para superar crise

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, durante um protesto contra o presidente Maduro em Caracas - Carlos Garcia Rawlins/Reuters
O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, durante um protesto contra o presidente Maduro em Caracas Imagem: Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Em Miami

24/01/2019 23h41

Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino da Venezuela, afirmou nesta quinta-feira (24) em entrevista à emissora de TV americana Univision, que não descarta uma futura anistia para Nicolás Maduro, e afirmou abraçar "todos" os setores, incluindo o militar, para superar a crise.

"Coisas semelhantes aconteceram em períodos de transição: aconteceu no Chile, aconteceu na Venezuela em 58. Não podemos descartar nenhum elemento, mas temos que ser muito firmes em relação ao futuro", disse Guaidó, que também lidera o Parlamento venezuelano, sobre uma possível anistia a Maduro.

"Dado o momento será avaliado. Esta anistia está na mesa, essas garantias para todos aqueles que estão dispostos a ficar do lado da Constituição para recuperar a ordem constitucional", afirmou.

Na quarta-feira (23), Guaidó elevou a tensão política na Venezuela ao anunciar a sua decisão de se proclamar chefe interino do Executivo, diante de milhares de apoiadores em Caracas, durante manifestação onde exigiam o fim da grave crise que atravessa o país e a saída de Nicolás Maduro da presidência.

Durante a entrevista, Juan Guaidó descartou que essa decisão foi um golpe de Estado.

"O que fizemos ontem foi abraçar a Constituição, assumir os poderes que ela nos dá precisamente para a cessação da usurpação que a Venezuela está passando para abraçar todos os setores, inclusive o militar, e ter uma eleição livre para poder definitivamente avançar rapidamente e superar esta crise", afirmou.

O governo do presidente dos EUA, Donald Trump, foi o primeiro a reconhecer Guaidó como o governante legítimo e interino da Venezuela, linha que seguiram outros líderes, inclusive o presidente Jair Bolsonaro.