Topo

Maduro rompe com EUA, pede lealdade a militares e diz que não sai do poder

Guaidó se autodeclara presidente da Venezuela e Maduro rebate

AFP

Talita Marchao*

Do UOL, em São Paulo

2019-01-23T18:28:28

2019-01-23T22:28:44

23/01/2019 18h28Atualizada em 23/01/2019 22h28

Nicolás Maduro afirmou nesta quarta-feira (23) que não deixará a presidência da Venezuela, culpou os EUA por "mais uma tentativa de golpe" e anunciou o rompimento das relações com os EUA. As declarações, feitas durante discurso de 58 minutos, ocorreram momentos depois que o líder opositor e presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autodeclarou presidente interino da Venezuela.

Na manifestação transmitida pela TV estatal, Maduro pediu ainda a "máxima mobilização" chavista, lealdade às Forças Armadas e capacidade de combate permanente. "Peço às Forças Armadas Nacionais Bolivarianas, aos militares de nosso país, ao meu comando: máxima lealdade, unidade e disciplina, que também teremos sucesso", disse. 

Após o apelo de Maduro, o ministro da Defesa, Vladimir Padrino, afirmou que "o desespero e a intolerância ameaçam a paz da nação. Os soldados da Pátria não aceitam um presidente imposto à sombra de interesses obscuros ou autoproclamados fora da lei. As Força Armada Nacional Bolivariana defende a nossa Constituição e é fiadora da soberania nacional".

Os Estados Unidos foram o primeiro país a reconhecer Guaidó como presidente interino do país. Maduro anunciou que todos os funcionários diplomáticos americanos têm 72 horas para deixarem o país. O governo brasileiro também reconheceu o opositor como novo presidente

Em discurso inflamado, Maduro tratou seus opositores como "lacaios do império" e diz que está à espera deles na sede do governo. "Lacaios do império, venham para Miraflores, aqui esperamos por vocês. Aqui vocês encontrarão um povo rebelde dizendo que vocês nunca mais voltarão a pisar dentro do Palácio de Miraflores 

A Venezuela deve ser respeitada e nós, venezuelanos, devemos tornar esta terra sagrada. Nem golpismo nem intervencionismo, a Venezuela quer a paz!", disse Maduro. "Essa tentativa de golpe de Estado é a maior insensatez que o imperialismo já cometeu, com seus aliados, a direita e a oposição venezuelana

Nicolás Maduro

Horas antes, o governo americano alertou Maduro de que está pronto para intensificar sanções econômicas sobre os setores de petróleo, ouro e outros, além de tomar medidas não especificadas, se houver violência direcionada à oposição. 

"Se Maduro e seus comparsas escolherem responder com violência --se eles escolherem fazer mal a membros da Assembleia Nacional ou quaisquer outras autoridades do governo legítimo da Venezuela-- todas as opções estão sobre a mesa para os Estados Unidos em relação a ações a serem tomadas", disse uma alta autoridade do governo norte-americano em teleconferência com jornalistas, segundo afirmou a agências de notícias Reuters.

Guaidó desmente Maduro

Após o anúncio de Maduro, Juan Guaidó publicou um documento em suas redes sociais dirigido a todas embaixadas presentes na Venezuela afirmando que as relações diplomáticas com todos os países do mundo estão mantidas. "Peço que vocês desconheçam qualquer ordem ou disposição que contradiga o firme propósito do poder legislativo da Venezuela", afirmou.

Relatos da imprensa afirmam que há uma ordem de prisão contra Guaidó, que já foi preso brevemente há cerca de duas semanas.

(*Com agências internacionais)

Mais Internacional