PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Soros diz que presidente da China é oponente mais perigoso da democracia

24/01/2019 19h40

Davos (Suíça), 24 jan (EFE).- O bilionário e filantropo George Soros fez um alerta nesta quinta-feira sobre o perigo representado pela aliança entre os monopólios tecnológicos e os regimes repressivos, destacando o caso da China, acusando o presidente do país, Xi Jiping, de ser o maior oponente das democracias.

"Meu ponto é que a combinação de regimes repressivos com monopólios tecnlógicos dá a esses governos uma vantagem sobre as sociedades abertas", disse Soros durante um jantar com jornalistas no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

"Os instrumentos de controle são ferramentas úteis nas mãos de regimes autoritários, mas representam uma ameaça mortal para as sociedades abertas. A China não é o único regime autoritário do mundo, mas é o mais rico, mais forte e o mais avançado tecnologicamente. Isso transforma Xi Jiping no oponente mais perigoso das sociedades abertas", ressaltou.

Por isso, na avaliação do bilionário, é muito importante distinguir as políticas do presidente chinês das aspirações do povo do país.

"Como Xi é o inimigo mais perigoso das sociedades abertas, devemos colocar nossas esperanças no povo chinês, especialmente na comunidad empresarial e uma elite política disposta a defender a tradição confuciana", afirmou Soros.

"Na verdade, estamos em uma guerra fria que ameaça se tornar uma guerra quente", afirmou. EFE

Internacional