PUBLICIDADE
Topo

Acusada de fraude contra a Receita espanhola, Shakira é convocada a depor

25/02/2019 19h38

Barcelona (Espanha), 25 fev (EFE).- A cantora Shakira foi convocada nesta segunda-feira pela Justiça da Espanha para prestar depoimento como investigada por seis crimes contra a Receita do país.

O Ministério Público de Barcelona, cidade onde ela vive, acusa a colombiana de cometer uma fraude de 14,5 milhões de euros simulando não morar na Espanha e ocultando sua renda através de participações em empresas com sede em paraísos fiscais de 2012 a 2014.

Fontes próximas da cantora disseram à Agência Efe que Shakira já se ofereceu para depor como investigada e está disposta a colaborar com a Justiça sempre que for chamada. Além disso, alegaram que a convocação é mais um trâmite dentro do processo derivado da denúncia, que está em um estágio inicial, e lembraram que a cantora já pagou os 14,5 milhões de euros cobrados pela Receita, por isso não estaria em dívida com os cofres públicos da Espanha.

As mesmas fontes ressaltaram que Shakira cumpriu com todas as obrigações tributárias e seguiu as recomendações do escritório Pricewaterhouse (PwC).

A denúncia do Ministério Público foi feita tanto contra a cantora como contra seu assessor fiscal nos Estados Unidos, que foi diretor de várias companhias de propriedade dela. Segundo os promotores que trabalham no caso, a artista elaborou um "plano" para não pagar nem o Imposto de Renda para Pessoas Físicas, nem o imposto sobre o patrimônio, utilizando empresas baseadas em paraísos fiscais.

O Ministério Público argumenta que a cantora "canalizou os movimentos de capital gerados com sua atividade profissional" - as atuações ou participações no programa americano 'The Voice' ou a comercialização de perfumes com seu nome - através de empresas com sede nas Ilhas Virgens britânicas, nas Ilhas Cayman e em Malta, Panamá e Luxemburgo.

Além disso, a denúncia acrescenta que Shakira assinou acordos com as autoridades fiscais de Luxemburgo para conseguir condições "específicas e privilegiadas de tributação" quando já vivia na Espanha e tinha a obrigação de pagar os impostos no país. EFE