PUBLICIDADE
Topo

Internacional

UE reitera que é "preciso evitar" intervenção militar na Venezuela

25/02/2019 10h03

Bruxelas, 25 fev (EFE).- A Comissão Europeia, o órgão executivo da União Europeia (UE), insistiu nesta segunda-feira que "é preciso evitar" uma intervenção militar na Venezuela, depois que o presidente da Assembleia Nacional (parlamento) do país sul-americano, Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino em janeiro, se mostrou favorável a manter "todas as opções abertas".

"A UE tem uma posição estabelecida muita clara: é preciso evitar a intervenção militar", afirmou a porta-voz de Relações Exteriores, Maja Kocijancic, na entrevista coletiva diária da Comissão.

A porta-voz lembrou a declaração emitida ontem pela alta representante da UE para a Política Externa, a italiana Federica Mogherini, na qual reprovou a intimidação contra as pessoas que tentavam fazer a ajuda humanitária externa chegar à Venezuela.

"No nosso ponto de vista, está muito claro que precisamos de uma resolução pacífica, democrática e venezuelana para esta crise. Isto obviamente exclui o uso da força", ressaltou Kocijancic.

A porta-voz afirmou que a UE "quer eleições presidenciais livres, transparentes e críveis, segundo a Constituição venezuelana".

Kocijancic disse que o grupo de contato internacional que a UE impulsionou com países europeus e latino-americanos trabalha precisamente para criar as condições na Venezuela para que esse pleito aconteça.

A porta-voz também disse que trabalha para a entrega de ajuda humanitária de acordo com os "princípios de humanidade: neutralidade, imparcialidade, independência".

Kocijancic garantiu que a alta representante mantém "contatos muito regulares, os manteve, por exemplo, na semana passada e também durante o fim de semana. E eles vão continuar", acrescentou.

Sobre a missão técnica do grupo de contato que visitou Caracas na quarta e na quinta-feira da semana passada, Kocijancic disse que pôde "falar com todos os atores relevantes", entre eles representantes do espectro político, mas também da sociedade civil e de agências da ONU.

"Falaram dos períodos necessários para a solução para a crise, para as eleições e a assistência humanitária, respeitando os princípios dessa assistência humanitária", indicou Kocijancic.

Além disso, a porta-voz anunciou que em 28 de fevereiro haverá em Bruxelas uma reunião de funcionários do alto escalão da UE para preparar a próxima reunião em nível ministerial do grupo de contato, em uma data que ainda não foi marcada.

Kocijancic lembrou que o regime do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, "perdeu a legitimidade necessária" e, por isso, é preciso realizar eleições "baseadas nos padrões internacionais".

Para a porta-voz, isso é algo que foi repetido várias vezes tanto por Mogherini como por "todos os ministros com os quais falamos sobre a Venezuela".

De fato, Kocijancic afirmou que nos últimos dois ou três Conselhos de Ministros das Relações Exteriores da UE essa posição "ficou muito clara". EFE

Internacional