PUBLICIDADE
Topo

Ex-governador peruano investigado por suposta ligação com a Odebrecht é preso

O ex-governador peruano Félix Moreno - Reprodução
O ex-governador peruano Félix Moreno Imagem: Reprodução

Lima (Peru)

12/11/2019 14h58

O ex-governador da região de Callao, Felix Moreno, investigado por suportas propinas da construtora Odebrecht e condenado por corrupção, foi detido em Lima, na capital do Peru, pela Polícia Nacional peruana e será levado ainda nesta terça-feira para uma prisão.

Moreno tem duas sentenças de cinco anos de prisão, pelo crime de conluio e negociação incompatível na venda desvalorizada da propriedade de Oquendo, em 2011, e pela construção inacabada de uma nova sede da autoridade de aviação em 2009.

Além disso, o ex-governador regional tem um mandado de prisão preventiva de 18 meses, após uma investigação contra ele por lavagem de dinheiro, por supostamente ter recebido milhões de dólares em propinas da construtora brasileira para conceder-lhe a permissão de construir uma rodovia na região de Callao.

A prisão de Moreno ocorreu ontem à noite, no distrito de Cieneguilla, e foi confirmada hoje pelo ministro do Interior, Carlos Morán, que destacou o trabalho da polícia que, nos últimos 45 dias, prendeu três dos fugitivos mais procurados da Justiça do país, se referindo ao ex-prefeito Carlos Burgos, ao ex-deputado Edwin Donayre e ao ex-governador regional de Callao.

"Na minha administração, formamos grupos especiais para conseguir a captura de Carlos Burgos, Edwin Donayre e Felix Moreno. Todos esses fugitivos foram capturados nos últimos 45 dias. Essa é a mensagem para os cidadãos", disse Morán.

O ministro afirmou que quando "o presidente Martín Vizcarra levantou a questão do combate à corrupção e a impunidade não foram palavras vazias, e hoje com essa prisão isso sendo demonstrado".

"Foi dito que eles estavam fora do país, que escaparam da Justiça, julgamentos injustos foram feitos contra a Polícia Nacional e o ministro. Mas o tempo nos deu razão", disse Morán.

Moreno era considerado fugitivo da Justiça peruana desde o mês de janeiro, por isso a polícia oferecia uma recompensa de 150 mil sois (cerca de R$ 183 mil) para encontrá-lo e ontem foi capturado em uma casa alugada em Cieneguilla, um distrito rural ao leste de Lima, ao lado de uma mulher identificada como Sheyla Villareyes. EFE

Internacional