Topo

Com 43 mortos, Itália encerra buscas após queda de ponte em Gênova

Giulia Segreti

Da Reuters*, em Milão

2018-08-19T10:15:14

19/08/2018 10h15

A operação de busca por desaparecidos após o desmoronamento de uma ponta na cidade portuária de Gênova, na Itália, terminou ao longo da noite, após serem encontrados os três últimos corpos, levando o total de mortes a 43.

Um trecho de 200 metros da ponte Morandi desmoronou terça-feira, provocando a queda de diversos veículos e de pedaços de concreto de uma altura de 50 metros.

Leia também:

Após três corpos serem retirados de um carro esmagado sob lajes de concreto, a prefeitura de Gênova aumentou o número de mortes com o acidente. Nove pessoas ainda estão no hospital, quatro em estado crítico, informou a prefeitura.

Embora todas as pessoas apontadas como desaparecidas já tenham sido localizadas, o representante dos bombeiros Stefano Zanut disse à Sky TG24: "Nosso trabalho continua para termos total certeza de que ninguém tenha sido deixado sob os escombros."

Ele disse que trabalhadores também estavam deixando o local seguro e ajudando as investigações s estabelecer a causa do desastre.

Gênova foi alertada para proteger ponte em 1979

O engenheiro italiano Riccardo Morandi, responsável por projetar a ponte que desabou na terça-feira, teria alertado a Itália em 1979 que o viaduto Polcevera deveria passar por uma reestruturação.

De acordo com um relatório divulgado pela imprensa italiana neste domingo (19), a recomendação foi publicada em um estudo intitulado: "O comportamento de longo prazo dos viadutos submetidos a tráfego pesado localizado em um ambiente hostil: o viaduto sobre a Polcevera, em Gênova". 

"Penso que, mais cedo ou mais tarde, e talvez já em poucos anos, será necessário recorrer a um tratamento para a remoção de todos os vestígios de ferrugem sobre os reforços expostos, com injeções de resinas, onde necessário, para, em seguida, cobrir todos com elastómeros de resistência", diz o texto produzido pelo engenheiro.

Segundo Morandi, "a estrutura é atacada pelos ventos do mar (o mar fica apenas a 1km), que são canalizados para o vale do viaduto. Isso cria uma atmosfera, alta salinidade, além disso, em seu caminho antes de chegar a estrutura, mistura-se com a fumaça das chaminés das siderúrgicas e está saturada de vapores altamente nocivos".

O estudo ainda alerta que as superfícies externas das estruturas, especialmente as expostas ao mar são afetadas mais diretamente pelos vapores ácidos das chaminés e por isso passam a mostrar fenômenos de agressão de origem química. Em resumo, Morandi ressalta que uma "perda de resistência superficial do concreto" já está em andamento. Na última semana, parte do viaduto desabou deixando 43 mortos e 14 feridos.

Com base em informações preliminares, as autoridades italianas suspeitam que o acidente tenha sido provocado pela ruptura de um dos cabos de aço da ponte. A Ponte Morandi foi projetada e construída entre 1963 e 1967 e chegou a ser batizada de "Ponte do Brooklyn" pelas semelhanças com o famoso local em Nova York. O viaduto mede 1.182 metros e tem 90 metros de altura - mais alto que a Ponte Rio-Niterói, no Rio de Janeiro.

*Com Ansa

Mais Notícias