PUBLICIDADE
Topo

Ponte desaba na Itália e deixa ao menos 26 mortos; testemunha relata queda após relâmpago

Do UOL, em São Paulo*

14/08/2018 09h01Atualizada em 16/08/2018 16h19

Após desabamento de uma ponte em Gênova, no norte da Itália, 38 pessoas morreram, segundo as autoridades italianas.

"Estamos preocupados com o número de mortos e feridos porque a remoção de escombros ainda está em andamento", afirmou o chefe do Departamento de Proteção Civil, Angelo Borreli. Entre as vítimas estão apenas motoristas e passageiros dos veículos --acredita-se que 30 veículos e três caminhões passavam sobre a ponte no momento da tragédia. Fontes da Defesa Civil, citadas pelo jornal La Repubblica, sustenta que o número de vítimas possa passar das 35 --mas, até o momento, 26 corpos foram recuperados e 19 deles identificados.

Há risco de desabamento de outros trechos da ponte, o que motivou a evacuação de todos os edifícios nos arredores, segundo a agência italiana Ansa.

Um temporal caía sobre a cidade quando o viaduto desabou. Segundo a agência Ansa, um bebê está entre os mortos. "Era um pouco depois das 11h30 (6h30 no horário de Brasília), quando vimos um relâmpago destruir a ponte", afirmou a Ansa. Testemunha do desabamento ligou para o serviço de emergência, e áudio divulgado mostra a reação do operador: "como assim, caiu?"

Especialistas consultados pelo UOL, entretanto, afirmam que um raio sozinho não causaria o acidente. Mas o peso sobre a estrutura e problemas que possam ter surgido com o passar dos anos, combinados com a ação de ventos e tempestades, teriam o potencial de provocar o desastre.

Um vídeo divulgado pela polícia italiana mostra clarões próximos à estrutura. Nas imagens, é possível ver parte da ponte já faltando e outro pedaço da construção despencando --o que sugere que o colapso tenha se dado em etapas. 

Autoridades locais reportaram o resgate de duas pessoas com vida. Elas foram transportadas para o hospital de helicóptero.

A ponte foi construída na década de 1960 e liga a estrada A10, na fronteira da França, com a A7, que segue para Milão. O viaduto Polcevera, que passa a cem metros de altura sobre rio de mesmo nome, tem mais de um quilômetro de extensão. Além das águas, estão abaixo da construção linhas de trem, edifícios e ruas. A ponte também é conhecida como Morandi, em homenagem ao construtor. A via está próxima do aeroporto local.

Leia também:

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, foi informado do acidente e está acompanhando o caso com seu gabinete. "Estou seguindo com a máxima apreensão o que aconteceu em Gênova e parece ser uma tragédia. Estamos em contato com a empresa que administra a autoestrada", disse o ministro dos Transportes da Itália, Danilo Toninelli.

As causas do colapso da estrutura ainda são desconhecidas, mas a companhia Autostrade per l'Italia, que administra várias rodovias do país, disse em comunicado que "estava trabalhando para consolidar o pavimento do viaduto".

Imagens aéreas registram destruição após queda de ponte na Itália

UOL Notícias

Projetado pelo engenheiro Riccardo Morandi, o viaduto chegou a ser batizado de "Ponte do Brooklyn" pelas semelhanças com o famoso local em Nova York.

O vice-premiê e ministro do Interior, Matteo Salvini, disse que equipes de resgate já estão no local. "Estamos acompanhando minuto a minuto a situação do desabamento da ponte em Gênova. Agradeço desde já aos 200 bombeiros --e todos os outros heróis-- que estão trabalhando para salvar vidas", escreveu Salvini em sua conta no Twitter. 

* Com agências internacionais