PUBLICIDADE
Topo

Após atentado que matou 50, mesquitas atacadas reabrem na Nova Zelândia

Ao menos 50 pessoas morreram após ataques a tiros contra duas mesquitas da cidade de Christchurch, na Nova Zelândia - Martin Hunter/REUTERS
Ao menos 50 pessoas morreram após ataques a tiros contra duas mesquitas da cidade de Christchurch, na Nova Zelândia Imagem: Martin Hunter/REUTERS

23/03/2019 15h58

Cheirando a tinta fresca, as duas mesquitas na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia, onde homens armados mataram 50 fiéis semana passada, reabriram as suas portas, neste sábado, com muitos sobreviventes entre os primeiros a entrar para rezar pelos que morreram.

Na mesquita de Al Noor, onde mais de 40 vítimas foram mortas por um suposto supremacista branco, as orações foram retomadas, com policiais armados no local, mas sem nenhuma lembrança gráfica do ataque armado, o pior da história da Nova Zelândia.

Aden Diriye, que perdeu seu filho de três anos, Mucad Ibrahim, no ataque, retornou à mesquita com seus amigos.

"Estou muito feliz", disse ele, depois de rezar. "Alá é ótimo para nós. Eu voltei assim que a reconstruímos, para rezar."

A maioria das vítimas do tiroteio, que a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern rapidamente denunciou como ataque terrorista, era imigrante ou refugiada, e suas mortes reverberaram no mundo islâmico.

O príncipe El Hassan bin Talal, da Jordânia, que visitou a mesquita de Al Noor, disse que o ataque violentou a dignidade humana.

"É um momento de profunda angústia para todos nós, toda a humanidade", disse.

A polícia disse que estava reabrindo a mesquita de Linwood, nas proximidades, a segunda a ser atacada durante as orações de sexta-feira, semana passada.

A Nova Zelândia está sob um alerta de segurança reforçado desde o ataque, com Ardern se mexendo rapidamente com uma nova lei banindo alguns tipos de armas usadas no tiroteio de 15 de março.

No começo do sábado, por volta de 3.000 pessoas andaram por Christchurch, em uma "marcha pelo amor", enquanto a cidade tenta se curar da tragédia.

(Reportagem de Tom Westbrook, Joseph Campbell, Natasha Howitt e Jill Gralow in Christchurch, Hesham Hajali no Cairo, Ruma Paul em Dhaka e Marwa Rashad em Riyadh)