Topo

Em meio à crise do PSL, Eduardo fica mais longe da embaixada em Washington

Eduardo Bolsonaro posa fazendo "arminha" em frente a escultura pela paz - Reprodução/Instagram
Eduardo Bolsonaro posa fazendo "arminha" em frente a escultura pela paz Imagem: Reprodução/Instagram

Lisandra Paraguassu e Ricardo Brito

Em Brasília

21/10/2019 13h05

A briga do presidente Jair Bolsonaro com parte do seu partido, o PSL, pode deixar seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), mais longe da embaixada em Washington (EUA), enquanto parlamentares ligados ao presidente e o restante do partido disputam o controle da sigla.

A indicação para a embaixada, anunciada pelo próprio presidente em julho, até hoje não foi formalizada pelo governo, apesar de os Estados Unidos já terem concedido o agrément a Eduardo, uma espécie de aceite do país anfitrião. Isso porque o governo até agora não conseguiu os votos para garantir que Eduardo seja indicado e, com o partido rachado, o próprio governo admite que as dificuldades aumentaram.

Nesta segunda-feira, depois de os bolsonaristas apresentarem uma nova lista de assinaturas a favor de Eduardo, a ala rival ligada ao presidente da sigla, Luciano Bivar (PE), decidiu retirar a suspensão a cinco parlamentares próximos a Bolsonaro que havia sido anunciada na semana passada, aceitando a troca de líder.

Ainda assim Eduardo assume a liderança com o apoio de apenas 28 (foram 29 assinaturas, mas uma não foi confirmada) dos 53 deputados do partido. O mínimo necessário são 27, evidenciando o racha no partido e a má vontade de boa parte do PSL com a família Bolsonaro.

Mesmo antes da briga do PSL a situação de Eduardo era difícil.

Presidente da Comissão de Relações Exteriores, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS) disse à Reuters que uma votação para a indicação de Eduardo estaria hoje em "absoluto equilíbrio" na Comissão, primeiro passo antes da votação em plenário. Como ambas se tratam de votação secreta, o resultado sempre pode surpreender.

"Olha, a calmaria depois das crises políticas pode ser bem melhor", disse o senador ao ser questionado se a última crise do PSL poderia atrapalhar a indicação.

Uma experiente fonte do Senado disse à Reuters, antes mesmo da confusão envolvendo a liderança da Câmara, que considerava "muito difícil" a indicação de Eduardo para embaixador passar. Segundo essa fonte, que pediu anonimato, o governo já se demonstrava muito inseguro com o nome e estava "jogando com o balcão" para tentar convencer os parlamentares. Isto é, oferecendo cargos e emendas parlamentares.

No entanto, o governo teve que gastar emendas e energia para aprovar a reforma da Previdência na Casa, dada a resistência de parte dos senadores em não mudar o texto vindo da Câmara.

"Currículo questionável"

Depois da guerra aberta no PSL, senadores avaliam que a situação de Eduardo ficou ainda mais complicada, especialmente depois de o filho do presidente não ter conseguido ganhar a disputa para líder da bancada na Câmara, mesmo com a interferência direta do pai.

"É lógico que dificulta. Se jogando em casa, com o goleiro amarrado, bateu o pênalti para fora?", disse o líder do PSL no Senado, Major Olímpio, referindo-se à primeira tentativa frustrada dos bolsonaristas de emplacar Eduardo na liderança.

O senador avalia que Eduardo claramente não tem uma maioria no partido, o que prejudicaria sua aprovação, mesmo ressalvando que ele, como líder do PSL, irá votar a favor da indicação, quando vier. Olímpio lembra que Eduardo tem um "currículo questionável" para a carreira de embaixador e essas disputas aumentam as interrogações.

Na última semana, apesar de oficialmente o Palácio do Planalto afirmar que a indicação está mantida, Eduardo admitiu a colegas que esse não era um bom momento e, apesar de não estar suspensa, sua indicação deve ser ao menos adiada.

Líder do PT no Senado e membro da Comissão de Relações Exteriores, o senador Humberto Costa (PE) reforça que a posição de Eduardo na Comissão já era bastante frágil. Explica que não fez uma sondagem pós crise no PSL, mas lembra que nenhum resultado hoje será uma vitória para o governo.

"Mesmo que ele seja aprovado, será uma vitória apertada. E isso é uma derrota, porque é raríssimo um embaixador ser aprovado com mais de cinco votos contrários", explicou.

Bolsonaro anunciou publicamente que planejava indicar o filho como embaixador em Washington no dia 11 de julho. Não por coincidência, um dia depois de Eduardo completar 35 anos, idade mínima para ocupar o posto.

Desde abril, quando o embaixador Sérgio Amaral, nomeado por Michel Temer, foi tirado do posto, Washington, considerada a embaixada mais importante para o Brasil no atual governo, está sendo tocada pelo encarregado de Negócios, Nestor Foster.

Amigo do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, Foster era o nome indicado por ele para ocupar o posto e chegou a ser avisado da promoção, mas o ministro foi atropelado pela decisão do presidente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Notícias