PUBLICIDADE
Topo

Juiz define fiança de US$1 mi para três dos policiais acusados por assassinato de George Floyd

O valor abaixaria para US$ 750 mil se eles concordassem com certas condições, inclusive abrir mão de quaisquer armas de fogo pessoais - Dan Kitwood/Getty Images
O valor abaixaria para US$ 750 mil se eles concordassem com certas condições, inclusive abrir mão de quaisquer armas de fogo pessoais Imagem: Dan Kitwood/Getty Images

Brendan O'Brien

Da Reuters, em Mineápolis

04/06/2020 18h54

Um juiz estabeleceu a fiança de US$ 1 milhão hoje para três dos policiais de Mineápolis acusados de cumplicidade na morte de George Floyd, um homem negro cujo assassinato sob custódia da polícia levou a uma série de protestos generalizados pelos Estados Unidos.

A fiança para os três acusados, que fizeram sua primeira aparição no tribunal hoje, seria baixada para US$ 750 mil se eles concordassem com certas condições, inclusive abrir mão de quaisquer armas de fogo pessoais. O juiz Paul Scoggin estabeleceu que os homens devem aparecer no tribunal novamente em 29 de junho.

Thomas Lane, J. Alexander Kueng e Tou Thao foram acusados na quarta-feira de ajuda e cumplicidade em assassinato de segundo grau e de ajuda e cumplicidade em homicídio culposo. Eles poderão enfrentar até 40 anos de prisão se condenados.

Derek Chauvin, o policial que pressionou seu joelho sobre o pescoço de Floyd por quase nove minutos e está sendo acusado de assassinato em segundo grau deve aparecer diante da corte na próxima segunda-feira. Todos os policiais foram demitidos do departamento de polícia de Mineápolis.

Nenhum dos três homens falou diante do tribunal. Vestidos em macacões laranjas, eles apareceram separadamente em audiências consecutivas que duraram cinco minutos cada. No Estado de Minnesota, os acusados não apresentam suas alegações em audiências preliminares.

No assassinato ocorrido no dia 25 de maio, Lane e Kueng foram filmados ajudando a pressionar Floyd no chão. Thao guardou vigia entre pessoas que assistiam a cena e os policiais que seguravam Floyd no chão.

Internacional