PUBLICIDADE
Topo

Garotinha viraliza em protesto antirracista: 'Sem justiça, sem paz'; veja

Garota viraliza em protesto antirracista: "Sem justiça, sem paz" - Reprodução
Garota viraliza em protesto antirracista: 'Sem justiça, sem paz' Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

04/06/2020 10h05Atualizada em 04/06/2020 13h45

Uma garotinha viralizou nas redes sociais ao participar de um ato antirracista nos Estados Unidos. Ela foi vista usando uma das frases de impacto na luta para que não ocorram mortes como a de George Floyd, homem negro morto por policiais brancos.

"Sem justiça, sem paz!", grita ela, repetidamente, com uma expressão de revolta.

O vídeo, postado nessa madrugada, já tem mais de 6 milhões de visualizações no Twitter.

A garota, segundo o Long Island Herald, é Wynta-Amor. Ela participava de uma marcha em Merrick, no estado de Nova York. A morte de Floyd provocou uma onda de protestos por todo o território americano.

Mais de 10 mil pessoas foram detidas em protestos nos Estados Unidos contra o racismo e a brutalidade policial após a morte de George Floyd. Ele foi detido por quatro policiais, acusado de usar uma nota de dinheiro falsa. Um deles ficou ajoelhado por cima de seu pescoço por cerca de oito minutos, enquanto Floyd dizia que não conseguia respirar.

O levantamento foi feito pela agência Associated Press. A contagem aumentou às centenas todos os dias na medida em que manifestantes se espalharam pelas ruas e encontraram uma forte presença policial e toque de recolher que dão às autoridades policiais poderes de prisão intensificados.

Los Angeles teve mais de um quarto das detenções nacionais, seguida por Nova York, Dallas e Filadélfia. Muitas das prisões foram por ofensas de baixo calão, violações ao toque de recolher e falta de dispersão. Centenas foram presas por roubo e pilhagem.

Os Estados Unidos registraram ontem a nona noite de protestos, que explodiram após George Floyd morrer depois que um policial branco ajoelhou sobre seu pescoço durante quase nove minutos em Minneapolis, no dia 25 de maio.

O caso ressuscitou a questão da brutalidade policial contra afro-americanos. ONU (Organização das Nações Unidas), Papa Francisco e líderes mundiais criticam a violência policial no país.

Internacional