PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Pfizer diz que negocia com governo para ter vacina no Brasil no início de 2021

Pfizer diz que negocia com governo para ter vacina no Brasil no início de 2021 - Kena Betancur/AFP
Pfizer diz que negocia com governo para ter vacina no Brasil no início de 2021 Imagem: Kena Betancur/AFP

12/11/2020 20h19

(Reuters) - O presidente da Pfizer no Brasil, Carlos Murillo, afirmou hoje que mantém negociações com o governo brasileiro com vistas a possibilitar a chegada ao país da vacina contra Covid-19 em desenvolvimento pela empresa no primeiro trimestre do ano que vem.

"No caso do Brasil, ainda estamos trabalhando fortemente com o governo brasileiro para tentar acelerar a disponibilidade no Brasil o mais rápido possível. Tenho esperança, como o governo também, de que no primeiro trimestre do próximo ano poderíamos estar contando com essa vacina disponível no Brasil", disse o executivo durante participação virtual em simpósio da Academia Nacional de Medicina sobre prováveis cenários de vacinação para a covid-19.

A vacina da Pfizer Inc passou a liderar nesta semana a corrida por um imunizante contra o novo coronavírus, depois que a empresa e sua parceira BioNTech anunciaram que sua candidata mostrou ter eficácia superior a 90%, com base em dados iniciais dos ensaios clínicos em estágio avançado.

A possível vacina passa atualmente por testes clínico em estágio avançado no Brasil com 3.100 voluntários nos Estados de São Paulo e da Bahia, mas não há até o momento acordo para compra pelo governo federal ou por qualquer Estado.

De acordo com o Ministério da Saúde, todas as vacinas com estudos avançados no mundo estão sendo analisadas para possível aquisição pelo governo federal, inclusive a do laboratório Pfizer.

Se for fechado um acordo, as doses seriam importadas das fábricas da Pfizer nos Estados Unidos e na Europa, mas posteriormente a empresa poderia firmar parceria com alguma instituição brasileira incluindo transferência de tecnologia, afirmou Murillo.

"Temos interesse em conversar para que essa tecnologia esteja presente no país", afirmou o executivo, lembrando que a vacina da empresa tem como base a tecnologia de RNA mensageiro, ainda inédita no mundo. "Um país como o Brasil tem que ter acesso e participar desse novo tipo de vacinas e plataformas."

Sobre a necessidade de armazenamento da vacina a temperaturas muito baixas, de no mínimo -70 graus Celsius, Murillo disse que a empresa já oferece juntamente com a vacina uma forma de armazenamento por até 15 dias que utiliza apenas gelo seco.

"Não é um tema simples e tampouco resolve a logística, mas muda muito o esquema de pensar que um país precisaria, para cada centro de vacinação, ter um ultrafreezer, não é isso", afirmou.

A vacina terá três preços diferentes: um para países ricos, outro para renda média (como o Brasil) e um terceiro valor para países subdesenvolvidos, mas o executivo não detalhou.

Até o momento, o governo brasileiro fez sua aposta principal no campo das vacinas para Covid-19 na candidata desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca. Separadamente, o Estado de São Paulo tem um acordo com a empresa chinesa Sinovac, para a coronaVac.

Coronavírus