PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Haitianos protestam contra onda de sequestros; FBI irá ajudar a encontrar missionários

Missionários norte-americanos e um canadense, foram sequestrados próximos à capital Porto Príncipe - Reginald Louissant Jr/AFP
Missionários norte-americanos e um canadense, foram sequestrados próximos à capital Porto Príncipe Imagem: Reginald Louissant Jr/AFP

18/10/2021 18h13

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - Haitianos fizeram uma greve nacional, nesta segunda-feira, para protestar contra uma onda crescente de sequestros, dias após o sequestro de um grupo de missionários provocar o envolvimento do FBI e ampliar rumores internacionais sobre a violência de gangues no país caribenho.

O grupo cristão Christian Aid Ministries, sediada no Estado norte-americano do Ohio, anunciou no domingo que seus missionários, 16 norte-americanos e um canadense, estavam no Haiti para visitar um orfanato quando foram sequestrados próximos à capital Porto Príncipe. Especialistas em segurança suspeitam que o sequestro foi conduzido por uma gangue conhecida como 400 Mawozo.

As autoridades haitianas continuam em silêncio sobre o incidente, e o paradeiro do grupo missionário, que inclui mulheres e crianças, ainda é desconhecido.

Uma porta-voz da Casa Branca disse nesta segunda-feira que o FBI está trabalhando com a equipe diplomática dos EUA no Haiti em iniciativas para localizar e libertar os desaparecidos.

Em nota, o FBI confirmou sua atuação. "O FBI é parte de uma iniciativa coordenada pelo governo norte-americano para colocar os norte-americanos envolvidos em segurança", diz a nota, sem fornecer mais detalhes.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA Ned Price disse na segunda-feira que os Estados Unidos haviam destacado uma pequena equipe para o Haiti para auxiliar nas iniciativas de localização e libertação dos missionários.

Internacional