PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
2 meses

UE estima aprovar vacina contra nova variante da covid em entre 3 a 4 meses

A Agência Europeia de Medicamento disse que poderia aprovar vacinas adaptadas para a variante ômicron do coronavírus dentro de três a quatro meses, se necessário - FERNANDO SILVA /ESTADÃO CONTEÚDO
A Agência Europeia de Medicamento disse que poderia aprovar vacinas adaptadas para a variante ômicron do coronavírus dentro de três a quatro meses, se necessário Imagem: FERNANDO SILVA /ESTADÃO CONTEÚDO

Ludwig Burger e Pushkala Aripaka

30/11/2021 10h25Atualizada em 30/11/2021 11h52

A Agência Europeia de Medicamento (EMA) disse nesta terça-feira que poderia aprovar vacinas adaptadas para a variante ômicron do coronavírus dentro de três a quatro meses, se necessário, mas que as vacinas existentes continuarão a oferecer proteção.

Falando ao Parlamento Europeu, Emer Cooke, diretora-executiva da EMA, disse que não se sabe se as farmacêuticas terão que alterar suas vacinas para proteger as pessoas da ômicron, mas que a agência está se preparando para esta possibilidade.

"Quando houver uma necessidade de mudar as vacinas existentes, poderíamos estar em condição de aprová-las dentro de três a quatro meses", disse.

"Empresas adaptando suas formulações para incluir o novo sequenciamento... terão que mostrar então como o sistema de produção funciona, terão que fazer então alguns testes clínicos para determinar que isto realmente funciona na prática."

O presidente da farmacêutica Moderna provocou novo alarme nos mercados financeiros nesta terça-feira ao alertar que as vacinas atuais dificilmente são tão eficazes contra a variante ômicron, detectada primeiramente no sul da África, quanto são contra a delta.

"Mesmo que a nova variante se torne mais generalizada, as vacinas que temos continuarão oferecendo proteção", disse Cooke.

Em fevereiro, a EMA emitiu uma nova diretriz para acelerar o processo de aprovação para farmacêuticas que modificam suas vacinas contra Covid-19 para proteger as pessoas de novas variantes.

Coronavírus