PUBLICIDADE
Topo

Cúpula em Berlim tenta evitar que Líbia se torne uma "segunda Síria"

19/01/2020 08h27

Os líderes de onze países envolvidos no conflito que arruína a Líbia se reúnem neste domingo (19), em Berlim, para tentar relançar o processo de paz e impedir que a guerra civil transforme esse Estado do norte da África em uma "segunda Síria".

Os líderes de onze países envolvidos no conflito que arruína a Líbia se reúnem neste domingo (19), em Berlim, para tentar relançar o processo de paz e impedir que a guerra civil transforme esse Estado do norte da África em uma "segunda Síria".

Representantes da ONU, da União Europeia, da Liga Árabe e da União Africana participam da reunião na capital da Alemanha. Diante do potencial de degeneração do conflito líbio, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, também está em Berlim.

O principal objetivo do encontro, promovido pelas Nações Unidas, é pôr fim à ingerência externa na Líbia. O país, afetado por uma instabilidade crônica desde a queda do ex-ditador Muammar Kadafi, em 2011, é alvo de uma disputa por influência estratégica no Mediterrâneo e cobiçado por suas grandes reservas de petróleo.

Rússia, Egito e Emirados Árabes Unidos apoiam o marechal dissidente Khalifa Haftar, que tenta há vários meses derrubar o governo no poder em Trípoli, liderado pelo primeiro-ministro Faiez Sarraj, reconhecido pela ONU. Em abril do ano passado, Haftar lançou uma ofensiva para conquistar a capital e suas tropas estão cada vez mais próximas deste objetivo. A escalada militar se agravou em dezembro, quando a Turquia se envolveu de forma mais incisiva, enviando militares para ajudar o governo de Trípoli, ameaçando interesses europeus.

Interesses europeus ameaçados

Na cúpula, a União Europeia tentará obter uma trégua no envio de armas aos campos rivais. O embargo proibindo a venda de armamentos à Líbia, decretado em 2011, é amplamente ignorado. Os europeus também querem evitar que Rússia e Turquia assumam um protagonismo maior nesse território estratégico, por onde transitam milhares de migrantes e jihadistas que chegam à Europa.

Por enquanto, Moscou e Ancara trabalham para encontrar uma solução política ao quebra-cabeças líbio. Mas o governo russo não conseguiu, por exemplo, convencer o marechal Haftar a assinar um cessar-fogo, em uma reunião ocorrida em 13 de janeiro em Moscou. Para os europeus, está claro que o marechal dissidente se instala na paisagem líbia e desafia abertamente a União Europeia, que apoia o primeiro-ministro Faiez Sarraj.

Apesar da fragilidade política do bloco, demonstrada na guerra da Síria, no dossiê nuclear iraniano e em outras crises no Oriente Médio, o novo chefe da diplomacia europeia, o espanhol Josep Borell, tenta pesar na mediação do conflito líbio. Ainda mais depois que a Turquia assinou, com o governo no poder em Trípoli, um acordo sobre a demarcação de fronteiras marítimas no mar Mediterrâneo que contraria os interesses da Grécia e de Chipre, dois países da União Europeia.

UE adverte Turquia sobre exploração de petróleo

A poucas horas da abertura da reunião em Berlim, os europeus alertaram a Turquia contra qualquer perfuração ilegal de poços de petróleo no Mediterrâneo oriental, principalmente nas águas de Chipre.

"Todos os membros da comunidade internacional devem se abster de qualquer ação que possa prejudicar a estabilidade e a segurança regional", disse o porta-voz do chefe da diplomacia europeia. "A intenção da Turquia de lançar novas atividades de exploração e perfuração em toda a região está, infelizmente, indo na direção oposta", diz o comunicado do bloco.

A nota informa ainda que os europeus examinam sanções direcionadas contra "pessoas ou entidades responsáveis ou envolvidas na perfuração de petróleo não autorizada no leste do Mediterrâneo". O assunto será discutido nesta segunda-feira (20) em uma reunião de ministros do bloco em Bruxelas.

Notícias