PUBLICIDADE
Topo

Sem nenhuma morte pelo coronavírus, estratégia "low cost" do Vietnã é exemplo de combate à epidemia

Jovens usando máscaras e luvas para evitar a transmissão do coronavírus checam seus celulares em uma área em quarentena no Vietnã - Minh Nguyen - 13.fev.2020/AFP
Jovens usando máscaras e luvas para evitar a transmissão do coronavírus checam seus celulares em uma área em quarentena no Vietnã Imagem: Minh Nguyen - 13.fev.2020/AFP

Frédéric Noir

Em Hanói (Vietnã)

21/04/2020 08h44

No Vietnã, um país com quase 100 milhões de habitantes e que faz fronteira com a China, nenhuma morte relacionada ao Covid-19 foi relatada e menos de 300 casos de contaminação foram confirmados. O balanço é considerado credível pela OMS, que até elogiou o país por sua transparência.

Como o Vietnã não tinha meios de realizar testes massivos na população, diferentemente da Coreia do Sul, o governo aplicou uma estratégia que alguns descreveram como "low cost" (baixo custo), isto é, o país priorizou o isolamento dos doentes e a localização das pessoas com as quais os infectados entraram em contato, direta ou indiretamente.

Ao todo, quase 100.000 pessoas foram colocadas em quarentena. Esse também foi o caso de todos os viajantes que chegaram do exterior, colocados imediatamente em quarentena por 14 dias, geralmente em prédios militares fora das cidades.

"Eu mesmo estava em quarentena em casa porque estava voltando da Malásia, e uma câmera foi instalada na frente da minha porta para garantir que eu não saísse", disse o correspondente da RFI em Hanói.

Isolamento e busca por todos os contatos

Além disso, o governo não hesitou em estabelecer confinamento de bairros inteiros. Por exemplo, uma comunidade inteira de 10.000 habitantes ao norte de Hanói foi completamente isolada do mundo por três semanas depois da descoberta de um caso positivo no local.

Da mesma forma, 1.600 pessoas do mesmo bairro foram mantidas em confinamento por 28 dias no Delta do Mekong por causa de uma única pessoa cujo teste foi positivo.

Ao mesmo tempo, em 1º de abril, o governo introduziu um plano de confinamento para a população, incluindo a proibição de reuniões e uma forte "recomendação" para não sair de casa - exceto por um motivo "essencial". Apesar da recomendação, muitos vietnamitas não seguiram as instruções.

"No meu bairro, nos arredores de Ho Chi Minh, muitas pessoas continuaram suas atividades como se nada tivesse acontecido. No entanto, a grande maioria das pessoas ainda usa a máscara em público. E muitas empresas controlam a temperatura dos clientes na entrada. Assim como a polícia, que montou postos de controle na entrada das principais cidades", descreve o correspondente.

"Ofensiva geral"

O primeiro-ministro vietnamita Nguyn Xuân Phúc qualificou os esforços do Vietnã como "ofensiva geral", referindo-se à ofensiva de Têt em 1968, uma referência à campanha militar conjunta das Frente Nacional de Liberação do sul do Vietnã e do Exército Popular vietnamita durante a Guerra do Vietnã.

O governo tomou medidas fortes desde o início para limitar a propagação do vírus. Em meados de janeiro, as autoridades reuniram um comitê de gestão de crise com médicos e cientistas para combater o vírus. E eles rapidamente tomaram medidas muito fortes.

Por exemplo, proibiram imediatamente a reabertura de escolas, convocaram médicos aposentados e aumentaram sua capacidade de produção de máscaras. O Vietnã se beneficiou de sua experiência em 2003, quando já havia conseguido - na época - combater a epidemia de SARS.

Hanói também decidiu suspender todos os voos entre o Vietnã e a China a partir de 1º de fevereiro, antes de restringir todos os voos internacionais. E, acima de tudo, o país decidiu fechar sua fronteira terrestre com a China, uma decisão de forte impacto devido à dependência da economia vietnamita da China, que é seu primeiro parceiro comercial.

Hoje, o país comunista se orgulha de seu balanço, que legitima os métodos por vezes intrusivos, mas amplamente aprovados pela população. Enquanto isso, as escolas estão começando a reabrir em algumas províncias, embora ainda sob recomendação de muita cautela.

Coronavírus