PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

França: Festa clandestina acaba em confronto com a polícia; jovem perde mão

Mais de 1.500 pessoas participaram de uma rave ilegal em Redon, na França. Participantes entraram em confronto com a polícia e houve feridos - Loic Venance/AFP
Mais de 1.500 pessoas participaram de uma rave ilegal em Redon, na França. Participantes entraram em confronto com a polícia e houve feridos Imagem: Loic Venance/AFP

19/06/2021 08h25Atualizada em 19/06/2021 09h15

A tentativa de dispersão de uma rave ilegal na noite de ontem e manhã de hoje em Redon, na região de Ille-et-Vilaine, na Bretanha, acabou em um violento tumulto entre os participantes e a polícia. Pelo menos cinco agentes ficaram feridos e dois foram hospitalizados.

Um jovem de 22 anos perdeu a mão, de acordo com um representante da região, Emmanuel Berthier. A Procuradoria da cidade de Rennes abriu um inquérito para avaliar as circunstâncias "desse incidente dramático". Apesar da proibição de "reuniões festivas com música", 1.500 pessoas vieram para Redon ontem à noite, explicaram as autoridades da região da Bretanha.

A polícia foi chamada para impedir a rave. De acordo com Berthier, o tumulto, de extrema violência, durou mais de sete horas. Segundo ele, os participantes jogaram coquetéis Molotov, bolas em metal e blocos de cimento nos policiais. Para o representante da região, a polícia enfrentou "pessoas que tinham um objetivo: vingar-se das forças públicas de segurança", declarou.

"Mais uma vez, as autoridades escolheram a violência no lugar do diálogo. Chuvas de gás lacrimogêneo e granadas caíram em cima de uma multidão que só queria festejar", reagiram os organizadores, o coletivo conhecido como Teknival des musiques interdites, que também lembrou a morte do jovem Steve Maia Caniço, que morreu em 2019 depois de cair no rio Loire, durante uma intervenção policial em uma festa em Nantes, no oeste da França.

Ministro acompanha a situação

Na manhã de hoje, as autoridades afirmaram que a festa havia acabado, mas um fotógrafo da AFP presente no local disse que a música tinha recomeçado. Cerca de 400 policiais foram mobilizados para impedir o acesso à área, situado perto do hipódromo de Redon. O ministro do Interior, Gérald Darmanin, está acompanhando de perto a situação, segundo seus colaboradores.

Ontem, dois anos depois da morte trágica de Steve Maia Caniço, o procurador da República de Rennes, Philippe Astruc, anunciou que, de acordo com sua investigação, Caniço caiu no rio durante a ação policial. Seu corpo foi encontrado um mês mais tarde. Sua morte emocionou a cidade e desencadeou diversos protestos contra a violência policial. Muitas pessoas foram às ruas pedindo "Justiça para Steve", julgando a ação policial desproporcional.

O incidente ocorre a apenas dois dias da Festa da Música na França, na segunda-feira (21), que neste ano deverá seguir um protocolo mais rígido que de costume para evitar a retomada da epidemia de Covid-19, atualmente sob controle. Os espectadores deverão assistir aos shows sentados e os espetáculos improvisados estão proibidos. O passe sanitário, com comprovante de vacinação completa, será exigido em locais que recebam mais de mil pessoas.

O toque de recolher será abolido a partir de amanhã devido à queda do número de casos de covid-19 na França —atualmente estimado em cerca de 2.500 por dia em nível nacional.

*Com informações da AFP

Coronavírus