PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
15 dias

Covid-19: Nova Zelândia reabre fronteiras após mais de 2 anos isolada do mundo

O fim das rígidas restrições chegou três meses antes do previsto na Nova Zelândia - Getty Images
O fim das rígidas restrições chegou três meses antes do previsto na Nova Zelândia Imagem: Getty Images

RFI, Washington*

01/08/2022 08h06

Mais de dois anos após ter fechado suas fronteiras para se proteger da covid-19, a Nova Zelândia voltou a receber turistas e estudantes estrangeiros hoje. O fim das restrições é comemorado pelos setores do turismo e da educação, essenciais para a economia do país.

O clima no aeroporto de Wellington era de festa durante a recepção dos primeiros turistas de volta à Nova Zelândia. O fim das rígidas restrições chegou três meses antes do previsto: um verdadeiro alívio para um casal que estava separado desde o início da pandemia.

"É inacreditável! Fazia muito tempo que estávamos esperando por esse momento!", diz a mulher, entrevistada pela RFI. O namorado dela completa: "Há dois anos nos perguntávamos quando poderíamos nos reencontrar. Não sabíamos nem mais se isso poderia ocorrer".

Os profissionais do turismo também comemoram a reabertura das fronteiras. O presidente da Associação dos Cruzeiros da Nova Zelândia, Kevin O'Sullivan, não esconde sua emoção. "A última vez que vimos um navio de cruzeiro atracar aqui foi em março de 2020. O primeiro chegará aqui na próxima semana, em 12 de agosto, então estamos muito felizes!", festeja.

No entanto, os prejuízos castigam o setor. "Lucrávamos entre 300 e 400 milhões [de dólares neozelandeses] por ano. É uma perda de mais de 800 milhões à economia do país", aponta Kevin O'Sullivan.

Aumento das contaminações por covid-19

Entre os turistas, chegam também os primeiros estudantes estrangeiros, a maioria deles asiáticos, que vêm estudar em universidades neozelandesas. A atividade representa quase 5 bilhões de dólares neozelandeses por ano (equivalente a quase R$ 16 bilhões).

Embora a reabertura das fronteiras fosse muito esperada, a população teme um aumento das contaminações de covid-19. Para entrar no país, um certificado de vacinação anticovid ou de isenção do imunizante ainda é exigido.

A Nova Zelândia determinou uma das políticas mais rígidas contra a propagação da covid-19. Além do fechamento das fronteiras, lockdowns severos foram decretados a cada vez que contágios locais eram registrados.

Isso permitiu ao país ter um número de mortes extremamente baixo comparado a outras nações: cerca de 1.500 em quase dois anos e meio. No entanto, no último mês de julho, mais de 400 pessoas morreram pela doença no país - um recorde desde o início da pandemia.

* Com informações do correspondente da RFI Richard Tindiller

Coronavírus