PUBLICIDADE
Topo

Lixo é tirado de casa de acumuladora no interior de SP e lota 10 caminhões

Mais Cotidiano
1 | 25
Siga o UOL no

Eduardo Schiavoni

Colaboração para o UOL, em Ribeirão Preto (SP)

12/12/2019 22h05Atualizada em 12/12/2019 22h17

Dez caminhões de lixo foram retirados, entre a manhã de ontem e a tarde de hoje, da casa de uma mulher em Ribeirão Preto (SP). Entre os objetos, estão garrafas pet, entulho, roupas e móveis quebrados. O lixo foi acumulado ao longo de mais de dez anos, e a dona da casa tem transtorno psicológico. A família receberá ajuda.

Equipes da prefeitura de Ribeirão Preto realizaram o trabalho de retirada depois que agentes de combate à dengue comunicaram a presença de focos do mosquito transmissor da dengue no local. A casa fica no Jardim Marchesi, região Oeste da cidade, e vivem nela uma idosa e o filho dela.

De acordo com Kelly Cristina da Silva, do Comitê de Atenção às Pessoas em Situação de Acumulação da Prefeitura, a idosa sofre com Síndrome de Diógenes, distúrbio caracterizado por autonegligência e que se manifesta como descuido do lar, retirada social, apatia, acúmulo compulsivo de lixo ou animais.

"É uma doença que leva à acumulação. Já conhecemos o caso dela e ela passa por atendimento", disse.

Kelly informou que a família já passava por atendimento e que a mulher chegou a jogar parte do entulho fora, mas teve uma recaída e voltou a acumular nos últimos meses. "Os agentes de saúde perceberam e acionaram a Assistência Social", afirmou.

Casa tomada por entulho em Ribeirão Preto (SP); dona da residência tem transtorno psicológico e é uma acumuladora - Divulgação - Divulgação
Casa tomada por entulho em Ribeirão Preto (SP); dona da residência tem transtorno psicológico
Imagem: Divulgação

O filho da idosa disse que não conseguia fazer a mãe parar de acumular. "Já conversamos muito, mas ela sempre trazia coisas. Melhorou por um tempo, mas ela começou a encher a casa de novo. Eu não sabia mais o que fazer."

Segundo Kelly, a idosa seguirá sendo atendida por um psicólogo e terá apoio de uma força-tarefa da prefeitura. "Ela não tem noção de higiene, chega a comer as coisas do chão. Encontramos ratos, baratas, escorpiões, é uma condição muito triste", disse.

Descarte, reforma e acompanhamento

Casa tomada por entulho em Ribeirão Preto - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação
Kelly explicou ainda que todo o material retirado foi descartado. O peso total do entulho ainda não foi calculado. A contabilização final deve ser feita nesta sexta-feira.

Agora, a casa será pintada por servidores públicos. Depois, será reformada e mobiliada através de doações. A Assistência Social fará visitas frequentes para impedir que a acumulação volte a ocorrer.

"Solicitamos à população que colabore com a doação de móveis, eletrodomésticos, utensílios de casa e telhas Eternit, porque tudo aqui precisou ser descartado. Os doadores podem entrar em contato com o Fundo Social de Solidariedade, pelo telefone (16) 3625-7194", disse Kelly.

Acumuladores

O trabalho de limpeza dessa residência integra as atividades do Comitê de Atenção às Pessoas em Situação de Acumulação, criado em agosto de 2019 pela prefeitura da cidade e que reúne profissionais de várias secretarias da administração de Ribeirão, incluindo Assistência Social, Saúde, Meio Ambiente e Infraestrutura.

Essa é a segunda grande ação de limpeza protagonizada na cidade desde a criação do comitê. O grupo atende pessoas após denúncias e oferece atendimento multidisciplinar. No total, de acordo com a prefeitura, pelo menos cem acumuladores já foram identificados e estão sendo atendidos pelo Comitê.

Cotidiano