PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


China freia juristas evangélicos do Brasil na ONU

Assunto voltou a ser debatido entre países na ONU no segundo semestre de 2019 - Johannes Eisele/AFP
Assunto voltou a ser debatido entre países na ONU no segundo semestre de 2019 Imagem: Johannes Eisele/AFP
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

20/01/2020 16h50

O governo da China criou obstáculos para que uma entidade de juristas evangélicos brasileiros passe a contar um status oficial nas Nações Unidas. Numa reunião nesta segunda-feira em Nova Iorque, Pequim pediu que a associação brasileira explicasse seu alcance global que justificasse a obtenção de um espaço privilegiado na ONU.

A coluna revelou que a Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure) havia solicitado o status consultivo nas Nações Unidas e que esperava que uma reunião na entidade nesta semana autorizasse sua entrada.

Ao receber a chancela do ECOSOC (Conselho Econômico e Social) das Nações Unidas, as entidades podem ainda designar um representante em Nova York e Genebra, submeter declarações por escrito ou serem chamadas para dar depoimento. Elas ainda tem voz garantida nos debates e, acima de tudo, podem circular pelos edifícios da ONU para fazer seu lobby.

A entidade evangélica iniciou o processo ainda em 2017. Mas, desde 2019, o governo de Jair Bolsonaro passou a ver com bons olhos o pleito da organização, já que representaria um reforço importante para alguns pontos da agenda da diplomacia brasileira, principalmente no que se refere aos direitos humanos.

Os evangélicos, porém, insistem que sua relação com o governo é de total independência e que não apoiam todas as pautas. O grupo ainda insiste que sempre trabalhou com diferentes governos brasileiros.

Com o questionamento chinês, a Anajure precisará agora dar uma resposta até maio. Se a China aceitar o argumento, então o processo é desbloqueado. Em alguns casos, porém, ongs passam anos e governos que querem impedi-las criar perguntas para que o processo seja permanentemente adiado.

Outra opção é uma resposta da Anajure nos próximos dias, por meio de uma intervenção oral nos debates da ONU. Mas não há garantias de que isso seja suficiente para o governo chinês.

No caso brasileiro, várias entidades já contam com esse status, entre elas grupos que representam interesses indígenas, de direitos humanos e de minorias.

Ao longo do ano de 2019, porém, essa participação da sociedade civil brasileira resultou em uma pressão inédita sobre o governo Bolsonaro, denunciando em mais de 30 ocasiões violações de direitos humanos no Brasil.

No caso dos evangélicos, um dos principais promotores dessa ação internacional é o jurista Uziel Santana, presidente da Anajure. Ele explicou que tem feito um trabalho com refugiados em países do Oriente Médio e que vem também trabalhando em coordenação com o Alto Comissariado da ONU para Refugiados, no Brasil.

A entidade também está presente na OEA, a Organização dos Estados Americanos, e para isso manteve um diálogo na ocasião com o governo do PT.

Em 2012, em uma de suas primeiras reuniões, a Anajure prestou uma homenagem a Damares Alves, pastora e hoje ministra de Direitos Humanos.

Jamil Chade