PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Maior centro de física do mundo aprova adesão do Brasil

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

24/09/2021 16h40

O Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN, na sigla em francês), em Genebra, aprova por unanimidade da adesão do Brasil à entidade, considerada como o maior centro de pesquisas física do mundo e local de origem da Internet.

O processo, agora, terá de contar com o sinal verde do governo e do Congresso, que terá de liberar cerca de US$ 10 milhões por ano para que o Brasil possa pagar sua contribuição anual.

Mas o sinal verde do centro é considerado como um passo fundamental. O projeto ganhou impulso no governo de Dilma Rousseff. Ainda na década passada, diplomatas brasileiros começaram a mediar a assinatura de uma carta de intenções entre o Ministério da Ciência e Tecnologia e o Cern, entidade que entrou para a história com a criação da web há duas décadas e com o maior acelerador de partículas do mundo que garantiu a confirmação da existência do bóson de Higgs.

Em 2010, um sinal positivo por parte do CERN sobre uma eventual entrada do Brasil foi comemorado como o primeiro passo para a adesão do País ao centro. O então ministro da Ciência, Aloizio Mercadante, chegou a visitar Genebra e prometeu acelerar o processo. Em 2012, o Cern enviou uma missão para avaliar a situação do País. O resultado foi positivo.

Em 2013, atrasos na comunicação com o governo foram registrados e a cúpula da CERN não escondia a insatisfação com a lentidão no processo. Já naquele momento, o então diretor do CERN e cientista Rolf Heuer, ironizou diante de uma pergunta sobre a falta de uma resposta do governo brasileiro. "Você sabe o que é um buraco negro? É incompreensível a demora do Brasil".

Mas o que parecia ser uma crise foi contornada. O Brasil acelerou os trabalhos e enviou a documentação exigida pelo Cern, o que envolvia um inventário da ciência no País e toda a capacidade de pesquisa existente.

O Cern considerou que a documentação "atendia aos critérios" para a adesão como membro associado. Assim, o Conselho Executivo do Cern deu luz verde para que um tratado de adesão fosse desenhado entre a entidade com sede em Genebra e Brasília. O acordo foi traçado e enviado ao Brasil, com a previsão de que pudesse ser assinado em 2014. Mas o silêncio total prevaleceu, segundo o CERN.

A adesão à entidade deve custar cerca de US$ 10 milhões por ano ao Brasil, mas abrirá as portas para licitações milionárias e formação de centenas de cientistas, além de participar ativamente de alguns dos maiores projetos da ciência.

Desde o início do processo brasileiro, porém, Israel e Romênia já completaram a adesão à entidade, enquanto Índia, Paquistão, Ucrânia e Turquia foram aceitas como membros associados.

Cientistas brasileiros já participam de forma ativa de muitos dos projetos do CERN, como no acelerador de partículas. Mas isso ainda ocorre de forma individual ou por meio de instituições. Como membro associado, o Brasil pode concorrer a posições como funcionários e pesquisadores. Além disso, empresas brasileiras poderão participar de forma regular das licitações do CERN, tanto para fornecer serviços como bens.

Como membro associado, o Brasil ainda teria o direito de fazer parte do Conselho do CERN, ainda que sem poder de voto.