PUBLICIDADE
Topo

Na Secom, Bolsonaro queima junto com assessor

UESLEI MARCELINO/REUTERS
Imagem: UESLEI MARCELINO/REUTERS
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

20/01/2020 04h25

O incêndio que arde na Secretaria de Comunicação da Presidência da República não para de crescer. Avolumam-se as evidências de que o chefe do órgão, Fabio Wajngarten, meteu-se num conflito de interesses que carboniza sua reputação e pode resultar em processo por improbidade administrativa. Como empresário, presta serviços a emissoras de TV e agências de publicidade. Como secretário, gerencia o rateio das verbas publicitárias.

A Comissão de Ética da Presidência da República analisa a encrenca no dia 28. O Tribunal de Contas da União se equipa para perscrutar os contratos firmados por Wajngarten. A oposição prepara representação a ser protocolada na Procuradoria-Geral da República. E discute com aliados do centrão a hipótese de arrastar o secretário para uma inquirição no Congresso.

Alheio à movimentação, Bolsonaro lida com o incêndio à moda de um personagem de anedota de português. Nela, após incêndio no interior de um prédio, os bombeiros verificam os destroços. Encontram apenas um morto: Jair Manoel.

Ele estava de ponta-cabeça, com o dedo indicador apontando para um dos cantos do ambiente. Ao lado de Jair Manoel, havia um extintor de incêndio com a seguinte instrução: "Em caso de incêndio, vire para baixo e aponte para a chama."

Bolsonaro ficou de cabeça para baixo no instante em que, a despeito do cheiro de queimado, anunciou que manterá Wajngarten no cargo. "Se foi ilegal a gente vê lá na frente", declarou.

No momento, dispondo da caneta presidencial, único extintor capaz de deter o fogo, o capitão limita-se a apontar para as labaredas, sem se dar conta de que está sendo chamuscado.

Josias de Souza