PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro promove um churrasco no mundo da Lua

GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDO
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

08/05/2020 01h54

O coronavírus mata mais de 600 pessoas diariamente no Brasil. Descontada a subnotificação, o número de mortos ultrapassou a barreira dos 9 mil. No Palácio do Planalto, entretanto, a morte não é a maior perda do país. Ali, a perda mais relevante é o que morreu dentro de Jair Bolsonaro enquanto ele vive sua realidade paralela. O presidente organiza para este sábado um churrasco. Coisa para 30 convidados —uma aglomeração gourmet.

"Estou cometendo um crime", disse Bolsonaro aos repórteres, entre risos, no cercadinho do Palácio da Alvorada. "Vou fazer um churrasco no sábado aqui em casa. Vamos bater um papo, quem sabe uma 'peladinha'. Alguns ministros, alguns servidores mais humildes que estão do meu lado."

A melhor novidade proveniente do governo desde que o vírus fugiu ao controle foi a notícia de que a taxa de insensibilidade do presidente não aumentou. Continua nos mesmos 100%. Bolsonaro se queixa da paralisia do país. Mas há um empreendimento que prospera no Planalto: a indústria do descaso.

Tomado pelo alheamento, Bolsonaro exibe as feições de um ex-presidente no exercício da Presidência. Ele não governa a crise que apavora o Brasil. Preside um país qualquer situado no Mundo da Lua.

Josias de Souza