PUBLICIDADE
Topo

Desejos de Guedes e travas de Bolsonaro produziram uma reforma Frankenstein

Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
Imagem: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

04/09/2020 05h13

Após um ano de embromação, chegou ao Congresso a reforma administrativa do governo. Ela é feita de uma combinação de pedaços dos desejos de Paulo Guedes com as travas impostas por Jair Bolsonaro. A mistura produziu uma espécie de reforma Frankenstein.

Elimina alguns privilégios, restringe a estabilidade funcional e estimula a produtividade. Mas não mexe com as castas mais privilegiadas do funcionalismo: juízes e procuradores. Não toca nos militares, a corporação de estimação de Bolsonaro. Não atinge os parlamentares.

No processo de junção das vontades de Guedes com as restrições de Bolsonaro, o governo tomou decisões que deixariam de cabelo em pé até Mary Shelley, autora do romance estrelado por Frankenstein.

O governo expôs os princípios da reforma numa proposta de emenda constitucional. Mas não divulgou os projetos de lei necessários para retirar as regas gerais do papel.

No geral, o governo deseja reduzir salários. Mas adia a proposta que expõe os cortes de remunerações. Deseja manter a estabilidade em certas áreas. Mas sonega o projeto com os nomes das corporações.

O Frankenstein do governo não assusta os atuais servidores, excluídos da reforma a contragosto de Guedes. Significa dizer que não haverá ganhos instantâneos. A economia virá no longo prazo, à medida que os funcionários mais antigos forem vestindo o pijama.

Os otimistas avaliam que o monstro pode virar galã a qualquer momento. Os pessimistas preferem adiar as conclusões para depois da apresentação dos projetos de regulamentação que o Planalto promete enviar e das emendas que os parlamentares não abrem de apresentar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL