PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Por pior que seja a piada, responder com um tapa é andar para trás

O momento em que Chris Rock leva um tapa na cara de Will Smith no Oscar. - Reprodução/TV
O momento em que Chris Rock leva um tapa na cara de Will Smith no Oscar. Imagem: Reprodução/TV
só para assinantes
Mauricio Stycer

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o "Lance!" e a "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Adeus, Controle Remoto" (editora Arquipélago, 2016), "História do Lance! ? Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo? (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011). Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Colunista do UOL

28/03/2022 12h10Atualizada em 28/03/2022 21h14

Até anteontem, um comediante que fizesse uma piada na noite do Oscar como a que Chris Rock fez sobre Jada Pinkett Smith seria cancelado. Nunca mais seria chamado para participar do evento, perderia patrocinadores e seria condenado com veemência nas redes sociais.

Will Smith, marido de Jada, não esperou o cancelamento que provavelmente viria. O ator atravessou o Rubicão. Decidiu resolver o problema com as próprias mãos. De cabeça quente, levantou-se, caminhou até o palco e deu um tapa na cara de Rock. Ao regressar à poltrona, gritou para o comediante nunca mais mencionar a sua mulher em piadas. Tudo isso ao vivo.

O comediante fez piada sobre a aparência física causada por uma condição de saúde. Uma piada de péssimo gosto. Rock buscou cumplicidade apelando a instintos baixos. Mas fez isso dentro das regras do universo em que ele atua - o humor. Não incitou o público a agredir a atriz ou a deixar de assistir os filmes e séries que ela faz.

Do cancelamento à agressão, pioramos bastante. Andamos milhares de casinhas para trás. Mesmo aceitando algo muito discutível, que a piada de Rock seja considerada uma agressão, ela está no terreno das ideias. E ideias se combatem com ideias. Concordar com a agressão física é preocupante.

No momento em que você admite que um comediante leve um tapa por causa de uma piada que você não gostou, você está admitindo que um comediante leve um tapa por causa de uma piada que você gostou.

Desculpas

Cerca de 20 horas depois, nesta segunda-feira (28), Smith pediu desculpas a Rock, à Academia do Oscar, à equipe do seu filme e à família das tenistas Venus e Serena Williams. Disse que estava "envergonhado" com o seu comportamento.

"A violência, em todas as suas formas, é venenosa e destrutiva. Meu comportamento no Oscar de ontem à noite foi inaceitável e imperdoável. Piadas sobre mim fazem parte do trabalho, mas uma piada sobre a condição médica de Jada foi demais para mim e reagi emocionalmente", publicou o ator em seu perfil no Instagram.

"Eu gostaria de me desculpar publicamente com você, Chris. Eu perdi a linha e estava errado. Estou envergonhado e minhas ações não foram indicativas do homem que quero ser. Não há lugar para violência em um mundo de amor e bondade", escreveu.

Antecedentes

O Oscar 2016 ficou marcado pelos protestos contra a falta de diversidade racial da premiação. Nenhum ator ou atriz negro foi indicado nas quatro categorias de interpretação. O cineasta Spike Lee anunciou que iria boicotar a cerimônia, no que foi seguido por muitos outros, inclusive por Jada Pinkett Smith, que então fazia parte do elenco da série "Gotham".

Num vídeo divulgado antes da cerimônia, ela disse: ""Implorar reconhecimento ou inclusive pedir nos tira dignidade e poder, e nós somos um povo digno e poderoso". E dirigindo-se a Chris Rock, afirmou: "Hey, Chris, não estarei na premiação da Academia e nem vou assistir, mas não posso imaginar ninguém melhor para fazer este trabalho este ano que você, amigo. Boa sorte".

Escalado como apresentador da noite, Chris Rock respondeu com um monólogo de abertura pesado, centrado na questão racial. Entre os petardos de difícil digestão que disparou, zombou do próprio casal Smith, sugerindo haver hipocrisia no gesto deles. Leia a íntegra do texto falado por Rock em 2016: "O que a gente quer é oportunidade".

Disse então: "Jada ficou brava, ela disse que não vem. Ela não tem um programa de TV? Jada boicotar o Oscar é como eu boicotar a calcinha da Rihanna - eu não fui convidado!" E acrescentou: "Você fica bravo porque Will foi tão bom e não foi indicado" [por seu papel em 'Um Homem entre Gigantes']. Também não é justo que Will tenha recebido US$ 20 milhões para fazer 'As Loucas Aventuras de James West'."