PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Vendido pela Cultura para Amazon e Disney, "Cocoricó" é tirado do YouTube

Sucesso entre as crianças, a série "Cocoricó" foi lançada pela TV Cultura em 1996 e até hoje é vista pelas crianças                          - TV CULTURA/DIVULGAÇÃO
Sucesso entre as crianças, a série 'Cocoricó' foi lançada pela TV Cultura em 1996 e até hoje é vista pelas crianças Imagem: TV CULTURA/DIVULGAÇÃO
só para assinantes
Mauricio Stycer

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 29 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o "Lance!" e a "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Adeus, Controle Remoto" (editora Arquipélago, 2016), "História do Lance! ? Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo? (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011). Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Colunista do UOL

31/03/2022 15h29

A plataforma de streaming da Disney começou a oferecer na semana passada os episódios da série "Cocoricó". Lançado originalmente em 1996, é um dos programas mais bem-sucedidos e queridos da TV Cultura.

O licenciamento dos direitos para a Disney é o segundo que a Cultura faz. Em junho de 2020, a TV pública, ligada ao governo do Estado de São Paulo, negociou os episódios de "Cocoricó" com o Prime Vídeo, da Amazon.

A Cultura produziu oito temporadas, num total de quase 300 episódios. A série apresenta as aventuras de Júlio, um garoto que mora na Fazenda Cocoricó com os avós. Ele tem 8 anos e vive em um local no qual animais cantam, interagem, conversam e lidam com historinhas

Desde que o negócio com a Amazon foi feito, os episódios de "Cocoricó" foram tirados do canal online da Cultura e do YouTube, onde podiam ser assistidos sem custo algum. Hoje, o canal exibe um episódio por dia, de segunda a sexta, às 7h, e às 13h45, aos sábados.

Uma vez que a série foi realizada com recursos públicos, seria natural que continuasse à disposição de todos os espectadores. Por isso questionei a TV Cultura a respeito. O canal nega haver qualquer relação entre o licenciamento com Amazon e Disney e a retirada do programa dos canais online da própria emissora e do YouTube. Mas não explicou o motivo. Veja abaixo a nota do canal:

"Em resposta à solicitação de informações relativas ao nosso conteúdo "Cocoricó", a Fundação Padre Anchieta/TV Cultura informa que a disponibilização do mesmo junto às plataformas de streaming não implica em nenhuma restrição para a continuidade de exibição em qualquer outro canal de difusão que a emissora deseje utilizar, seja dentro da sua programação, em seus canais a cabo, digitais ou mesmo suas redes sociais. Tanto assim que o "Cocoricó", além de disponível nas plataformas de streaming Disney + e Amazon, continua sendo exibido pela TV Cultura, por sua rede de afiliadas e parabólicas para todo o Brasil, sempre de segunda à sextas, cumprindo assim uma das premissas básicas de nossa TV Pública, que é a total democratização do acesso aos nossos conteúdos, especialmente os infantis.

A não disponibilização, atualmente, do programa em questão pelo YouTube foi uma decisão exclusiva da diretoria, tomada já há algum tempo e não está ligada a nenhuma questão contratual."