PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Minha coluna na Folha: "Acabou, porra!" é o "Tchau, querida!" de Bolsonaro

Bolsonaro em pescaria com seu amigão Fabrício em 2013. Segundo MPE e Justiça, vínculos com a milícia continuam ainda hoje - Reprodução/Instragram
Bolsonaro em pescaria com seu amigão Fabrício em 2013. Segundo MPE e Justiça, vínculos com a milícia continuam ainda hoje Imagem: Reprodução/Instragram
Conteúdo exclusivo para assinantes
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

19/06/2020 08h42

O governo Bolsonaro acabou. A reforma da Previdência, único marco que ficará destes dias, durem quanto durar, é, na verdade, herança do governo Temer, que só não conseguiu aprovar o texto porque teve de enfrentar o lavajatismo golpista e de porre de Rodrigo Janot. Isso à parte, sobra pregação golpista. E só.

Quanto tempo o "mito" ainda fica por aí? Não sei. Mas é "um cadáver adiado que procria", para lembrar verso de Fernando Pessoa em caso bem mais nobre. E qualquer coisa que venha à luz, nessas circunstâncias, será necessariamente ruim. Não temos mais um presidente, mas um refém do fundão do centrão. À medida que a sociedade vai saindo da clausura a que a condenou o coronavírus, cresce o preço político para manter o corpo na sala. Até a hora em que os próprios apoiadores resolvem enterrar o malcheiroso.
(...)
Lembram-se do "tchau, querida" de Lula, ao se despedir de Dilma, naquela gravação feita e divulgada ilegalmente por Sergio Moro? Esqueçam o mérito. Fixo-me nas palavras. Elas se transformaram numa espécie de emblema da derrocada do governo. Era também uma senha entre os que defendiam o impeachment. Bolsonaro já tem os dois vocábulos imortais que servem para carimbar seu fim (...): "Acabou, porra!"
(...)
Íntegra aqui