PUBLICIDADE
Topo

Marinho ao MPF 1: Queiroz teria movimentado muito mais do que R$ 1,2 milhão

Flávio Bolsonaro: ele não pode se dizer traído por Queiroz. Ajudou a organizar a defesa de seu ex-assessor - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Flávio Bolsonaro: ele não pode se dizer traído por Queiroz. Ajudou a organizar a defesa de seu ex-assessor Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

27/07/2020 16h30

Todos sabemos que Paulo Marinho, empresário e suplente de senador (PSDB-RJ) — no caso, de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) —, revelou ter mantido um encontro com Flávio em sua casa no dia 13 de dezembro de 2018. Segundo Marinho, o filho Zero Um revelou, afirmou então, que assessores seus foram previamente informados da deflagração da Operação Furna da Onça por um delegado da Polícia Federal. Extrato bancário de Fabrício Queiroz começou a circular na imprensa, trazendo movimentação atípica de R$ 1,2 milhão.

Muito bem! A reunião na casa de Marinho, que todos os presentes admitem ter existido, teria o objetivo de organizar a defesa de Queiroz. Como fica claro no vídeo abaixo, participaram do encontro, além de Marinho e Flávio, também os advogados Cristiano Fragoso e Victor Granado Alves, assessor de Flávio de todas as horas.

Cumpre lembrar aqui que Alves participou do encontro entre Márcia Oliveira de Aguiar, mulher de Queiroz, e Raimunda Veras Magalhães, mãe do miliciano Adriano da Nóbrega. Segundo o MP, o objetivo seria planejar a fuga de Queiroz, o que os envolvidos negam.

Pois bem! O blog teve acesso à integra do depoimento de Marinho ao Ministério Público, ocorrido no dia 21 de maio. Abaixo, destaco um trecho ao qual se deu pouca importância.

Marinho revela que Alves, o faz-tudo de Flávio, obrigou Queiroz a lhe fornecer senhas de suas contas bancárias e que a movimentação de dinheiro era muito maior do que o propalado R$ 1,2 milhão. Marinho diz não saber o valor. Victor Granado Alves teria dito:
"Olhe, eu, ontem, estive com Queiroz e obriguei o Queiroz a me repassar todas as senhas das contas bancárias dele, e eu passei essa madrugada toda entrando nas contas do Queiroz, e os montantes que eu descobri, e informei agora de manhã para o Flávio, são muito superiores a esse que a imprensa está noticiando, inclusive porque ele se refere a anos anteriores".

Muito bem! O leitor poderá dizer: "Ah, ponto para Flávio!" É mesmo? A questão é saber por que, então, ele se encarregou de montar a defesa de Queiroz, com a participação, segundo relato que Flávio teria feito a Marinho, do presidente da República. Mais: não faz muito tempo, Flávio voltou a afirmar que Queiroz é um homem honrado.

Caso não consiga assistir o vídeo aqui, acesse o vídeo pelo Youtube, clicando aqui.



Reinaldo Azevedo