PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Óleo da Venezuela, cristofobia, conservadores, família e Pituka com "K"

Óleo cru chega às praias de Salvador. Não se conhecem ainda as circunstâncias do acidente. Acusação de Bolsonaro é irresponsável - Shirley Stolze/Ag. A TARDE
Óleo cru chega às praias de Salvador. Não se conhecem ainda as circunstâncias do acidente. Acusação de Bolsonaro é irresponsável Imagem: Shirley Stolze/Ag. A TARDE
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

23/09/2020 05h17Atualizada em 24/09/2020 13h48

Ainda sobre o discurso de Jair Bolsonaro na ONU, também os temas que se juntaram ao meio ambiente e à Covid-19 mereceram tratamento ligeiro, precário.

No que respeita às relações internacionais, o presidente acusou:
"Em 2019, o Brasil foi vítima de um criminoso derramamento de óleo venezuelano, vendido sem controle, acarretando severos danos ao meio ambiente e sérios prejuízos nas atividades de pesca e turismo."

O acidente aconteceu. Não há a menor evidencia de que tenha sido criminoso. Bolsonaro estava apenas alimentando a hostilidade à Venezuela, depois de, pateticamente, ter permitido que Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, tenha usado a base de auxílio aos refugiados em Roraima para fazer proselitismo eleitoral.

Ainda à esteira da sabujice a Donald Trump, mandou ver:
"Os acordos de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, e entre Israel e o Bahrein, três países amigos do Brasil, com os quais ampliamos imensamente nossas relações durante o meu governo, constitui excelente notícia. O Brasil saúda também o Plano de Paz e Prosperidade lançado pelo Presidente Donald Trump, com uma visão promissora para, após mais de sete décadas de esforços, retomar o caminho da tão desejada solução do conflito israelense-palestino. A nova política do Brasil de aproximação simultânea a Israel e aos países árabes converge com essas iniciativas, que finalmente acendem uma luz de esperança para aquela região."

O Brasil sempre manteve relações estreitas com países árabes — e não houve mudança de status no governo Bolsonaro — e com Israel. Sim, o presidente chegou a anunciar a mudança da embaixada do Brasil de Telavive para Jerusalém, projeto adiado justamente em razão da reação negativa de países árabes.

O tal Plano de Paz e Prosperidade de Trump serve à campanha eleitoral americana e é parte das jogadas do presidente dos EUA. Emirados e Bahrein nunca entraram em guerra com Israel. Chamar a aproximação de "plano de paz" é retórica oca. Se Bolsonaro quer afirmar que o Brasil passou a ter com os palestinos a mesma hostilidade que tem o governo Trump — como mais uma evidência da sabujice —, então, aí sim, se pode falar numa mudança de postura.

O presidente falou ainda sobre o acordo Mercosul-União Europeia, que estaria chegando a uma fase conclusiva. Bem, dizer o quê? O dito-cujo subiu no telhado. E de lá não desce tão cedo. E as restrições são justamente de natureza ambiental.

CRISTOFOBIA
Acenando à sua base evangélica, afirmou:
"Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia."

Duvido que ele próprio saiba do que está falando. O termo se aplica a milícias islâmicas que hoje perseguem cristãos em alguns países da África — especialmente Nigéria — e da Ásia, particularmente a Indonésia.

Dado o fluxo do discurso, parece ter sido algo acrescentado de última hora, no joelho, para acenar a um público em particular.

E, claro, no encerramento, não poderiam faltar Deus e a tal família:
"O Brasil é um país cristão e conservador e tem na família sua base."

Jamais a palavra "conservadorismo" foi tão mal empregada como nestes tempos. Até porque, a depender do que se entenda por isso, parece muito pouco "conservador" um homem ter filhos com três mulheres distintas, estando já no terceiro casamento.

A mim não incomoda nem um pouco. Mas de que conservadorismo ele fala? Não é, por exemplo, o do catolicismo, que considera o matrimônio indissolúvel.

É que "conservadorismo" bom é só aquele que Bolsonaro e os seus praticam, não é mesmo? Ou quase.

Quanto à família, pergunta-se: que sociedade humana, não importa o estágio de desenvolvimento em que se encontre, não tem na família a sua base?

"Ah, Reinaldo, é que se trata da família entendida como papai, mamãe e filhinhos... A família tradicional. Trata-se de uma nota coberta de homofobia".

Ah, bom. Então lamento mais ainda. Sou progressista.

Quando Carlos Bolsonaro morava com seu primo, Leo índio, eu não teria nenhum problema em chamar a união de família. Até porque eles cuidavam juntos de Pituka, com "K", a cadelinha.

Viva a família progressista!