PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Fim do Moro candidato. Chega de forças-tarefa! Não podem ser meio de vida

Reprodução
Imagem: Reprodução
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

30/11/2020 06h44

lá. Não são apenas os americanos e o próprio Sergio Moro a lucrar com a sua nova condição de sócio diretor da A&M, que presta serviços a empresas encalacradas com a Justiça, seja por demérito das próprias, seja por demérito de servidores de Estado que mandam o devido processo legal às favas... A política tem lá seu ganho.

Acabou a pantomima, suponho, do Moro como possível postulante a candidato do centro. Havia nisso um outro absurdo, além da hipótese da candidatura: a suposição de que este sujeito seja de... centro. Ele é o puro sumo do reacionarismo mais abjeto. Qualquer um que, no Brasil, defenda excludente de ilicitude está, na prática, se alinhando com os executores de João Alberto Silveira Freitas (Carrefour de Porto Alegre) ou de NegoVila Madalena, também assassinado por um policial em frente a uma distribuidora de bebidas da Vila Madalena, na zona oeste da capital paulista, na madrugada deste sábado.

Não é sua única manifestação de reacionarismo. Em outras matérias de direito penal, não passa de um punitivista vulgar, à moda desses especialistas nas próprias opiniões que sempre têm soluções simples e erradas para problemas difíceis.

E por que uma empresa como a A&M o contrata? Ora, quem conhece mais os arcanos das empresas enroladas em investigação do que ele? Quem tem mais trânsito neste submundo — aplico a palavra no sentido de um mundo particular, à parte — que mistura procuradores, policiais federais, membros do Judiciário que não têm exatamente o ordenamento jurídico como cartilha? Não é esse o fantasma que hoje aterroriza os empresários?

Em vez de se ter uma investigação que puna eventuais irregularidades cometidas pelas empresas, com as devidas sanções — alcançando, se for o caso, na esfera penal aqueles que transgrediram —, temos um modelo que transforma tanto as empresas como os empresários em reféns eternos dos investigadores. Mas o ministro Luiz Fux — que busca uma causa que o inscreva na história — não vê nada de errado nisso.

Aí um patriota como Moro decide, então, passar para o outro lado do balcão. Vai ajudar empresas que caíram nas malhas que ele próprio ajudou a criar. E, segundo diz a A&M em seu comunicado — sem ver necessidade de disfarçar —, a sua condição de ex-servidor do Estado passa a ser útil. O dinheiro, nessa perspectiva, literalmente muda de mãos, né? Sai das do investigado e passa para as dos investigadores. Tudo respeitando a coreografia da lei.

Isso nem é tão novo assim. Ocorre que Moro tinha ambições audaciosas na política. Sim, ele queria ser presidente da República. Suponho que, agora como sócio diretor da A&M, o projeto terá de esperar, né? No momento, ele está empenhado em arranjar clientes para o grupo americano. E, convenham, depois do estrago que a Lava Jato provocou e ainda provoca no Brasil, o terreno é vasto e fértil.

O Congresso tem de ter a coragem moral de botar ordem nessa folia. Claro! Alguns vigaristas gritarão o mantra de sempre: "Querem acabar com a Lava Jato", como se a escolha que Moro faz agora não significasse a mais brutal, escancarada e arreganhada desmoralização da força-tarefa. Os procuradores que a compõem deveriam declarar a sua autoextinção. E Augusto Aras, procurador-geral da República, tem de fazer a coisa certa e pôr fim a essa folia de forças-tarefa. Viraram uma oportunidade de negócios. Assim como as delações se transformaram numa indústria.

E não! Não estou demonizando o trabalho de empresas como a A&M. Existem coisas do gênero mundo afora. Os países é que não podem permitir que empresas, empresários e políticos sejam reféns de forças que atuam ao arrepio da lei para se oferecer, depois, como uma solução milionária para os problemas que ajudaram a criar.

Ou, agora, seremos o país das forças-tarefa que, no futuro, servirão para enriquecer os valorosos agentes da lei?

Moro desnuda a Lava Jato e revela a sua real natureza. O trabalho agora é com o Congresso e com a Procuradoria Geral da República.

E não! Isso nada tem a ver com o combate à corrupção. Ou melhor: tem, sim: é preciso acabar com a corrupção moral no combate à corrupção.