PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

A evidência do assassinato em massa e o devido registro para a história

"O triunfo da morte" (1562-1563), de Pieter Bruegel, o Velho. Precisamos dar à tragédia a dimensão humana e política que ela tem. E isso supõe o registro organizado para as gerações futuras - Reprodução
"O triunfo da morte" (1562-1563), de Pieter Bruegel, o Velho. Precisamos dar à tragédia a dimensão humana e política que ela tem. E isso supõe o registro organizado para as gerações futuras Imagem: Reprodução
só para assinantes
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

15/03/2021 07h37

Reportagem da Folha traz uma informação aterradora. Leiam. Volto em seguida:

"Ao menos 72.264 pessoas morreram por Covid-19 sem ter acesso a um leito de UTI mesmo tendo sido internadas — mais de 1/4 dos quase 280 mil mortos deixados pela doença no país até agora. O número, reflexo do colapso do sistema hospitalar em diversas regiões do país, representa um óbito para cada três pessoas hospitalizadas. É presumível que parte deles pudesse ter sido evitada com o tratamento intensivo. Os dados são do Sivep-Gripe (Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe) e fazem parte de um levantamento da Fiocruz realizado a pedido da Folha. Como em 22.712 (10%) dos casos hospitalizados não há informação de que pessoa teve acesso a UTI, o número de sem-leito pode ser ainda maior. Em 124.064 (57%) casos, a morte ocorreu em UTI."

RETOMO:

Eis resumida aí a eficiência do Ministério da Saúde no trato da Covid-19. E assim é mesmo com parte dos governadores fazendo esforços para tentar diminuir a escalada da contaminação e das mortes tanto na primeira onda da doença, como agora, na segunda, muito mais devastadora e letal.

Mas temos o presidente que temos, fazendo o que faz, dizendo o que diz.

Tenho defendido há tempos que entidades da sociedade civil se reúnam e se estruturem para criar um ente que se encarregue de criar o "Brasil Nunca Mais Covid-19". É preciso que a história registre os nomes desses mortos, o que é possível nestes tempos digitais.

Mas também é necessário nominar os algozes, eternizando os respectivos nomes daqueles que contribuíram para esse estado de coisas, não importa onde estejam: governo, órgãos de representação profissional ou de classe, parlamentares, juízes, imprensa (ou algo que finge ser), empresariado...

Outras pandemias haverá. É um imperativo que a história registre as infâmias para que a memória possa advertir gerações futuras. E para que os negacionistas, cúmplices do morticínio, mereçam o devido crédito.

O que está em curso no país é um assassinato em massa. A cada um de acordo com a sua obra.