PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

As 600 mil mortes doem tanto mais quanto maior o desrespeito do presidente

E Bolsonaro ainda sorri? - Foto: Isac Nóbrega/PR/Flickr
E Bolsonaro ainda sorri? Imagem: Foto: Isac Nóbrega/PR/Flickr
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Chefe da Sucursal de Brasília do UOL

08/10/2021 15h26

Quando ainda estava com a popularidade em alta, antes das denúncias de corrupção envolvendo Paulo Cesar Farias, o ex-presidente Fernando Collor de Mello costumava contar a história da visita de um político do Nordeste a uma cidadezinha do interior.

Assim que chegou, um velhinho maltrapilho deu-lhe uns puxõezinhos na camisa. O político apertou a mão do cidadão e seguiu em frente. Passado algum tempo, o velhinho voltou a cutucá-lo. O político tirou do bolso uns trocados e entregou.

Mas eis que, quando subia no palanque do comício, aquele velhinho voltou a interceptá-lo. Irritado o político falou: "Já lhe cumprimentei e até dei algum dinheiro. O que você quer mais?"

O eleitor respondeu: "Consideração, doutor. Eu quero consideração."

É isso que mais faltou ao presidente da República durante todo esse período de pandemia: consideração com as vítimas e as famílias das vítimas. Faltou empatia, a capacidade de se colocar no lugar do outro, sentir a dor do outro.

A frieza não é uma boa conselheira dos políticos. Talvez vídeos como estes abaixo, mais do que a matemática fria do número de mortos, expliquem a queda de popularidade do presidente:

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL