Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos

Livro que trata de incesto não foi distribuído na gestão Haddad no MEC

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Do UOL, em São Paulo

04/10/2018 17h55

É enganosa a postagem com vídeo que circula nas redes sociais que diz que o candidato a presidente Fernando Haddad (PT) disponibilizou um livro que trata do tema incesto para crianças durante a gestão dele no MEC (Ministério da Educação). A obra "Enquanto o sono não vem" foi selecionada em 2014, quando Henrique Paim comandava a pasta. Nesta época, Haddad era prefeito de São Paulo. Portanto, a informação que circula é falsa.

A obra reúne textos de diferentes gêneros de tradição oral popular. O romance – gênero literário específico, ou seja, uma composição poética popular com origem na tradição oral -- “A triste história de Eredegalda” conta a história de um rei que sugere a ideia de se casar com uma de suas filhas, que acaba morrendo no fim da história.

O texto enganoso está sendo replicado junto a uma reportagem do "ESTV", da "TV Gazeta", afiliada da "Globo" no Espírito Santo. A notícia, de junho de 2017, relata que o livro foi retirado de escolas por prefeituras do Espírito Santo após reclamações de professores e pais.

Após a polêmica, o então ministro da Educação Mendonça Filho decidiu recolher os 93 mil exemplares do livro distribuídos pelo Programa de Alfabetização na Idade Certa para alunos de primeiro, segundo e terceiro anos do ensino fundamental das escolas públicas.

Em nota divulgada na época, o MEC disse que o livro foi selecionado em novembro de 2014, durante o governo de Dilma Rousseff (PT). O atual candidato a presidente havia ocupado o cargo de ministro da Educação em período anterior, de 29 de junho de 2005 a 24 de janeiro 2012.

Na época da polêmica, o livro foi avaliado por uma equipe composta por doutores e mestres especialistas do Ceale (Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita) da Faculdade de Educação da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Em nota, o Ceale afirmou que "o fato de uma obra tematizar incesto, como é o caso de 'A triste história de Eredegalda', não quer dizer que faça apologia do incesto". Segundo o órgão, o conto tematiza e condena o estupro "ao expor o drama e o sacrifício daquela que poderia ter sido sua vítima".

Esta verificação foi sugerida por leitores do Comprova por meio do WhatsApp (11-97795-0022). Versões desta postagem também circulam no Facebook. Em uma delas, por exemplo, obteve 3,5 mil visualizações até a manhã desta quinta-feira (4).

A peça de desinformação foi verificada pelo “Poder360” e pela “BandNews FM”, além do UOL, do “Estadão”, da “Gazeta Online” e de “O Povo”, todos integrantes do projeto Comprova.

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Newsletters

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero receber

Mais UOL Confere