PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


É falso que órfãos da Polônia são usados em experimentos de vacinas

São falsas as afirmações compartilhadas por uma apresentadora brasileira que vive nos Estados Unidos sobre médicos poloneses terem denunciado a utilização de bebês órfãos  - Fernando Zhiminaicela/ Pixabay
São falsas as afirmações compartilhadas por uma apresentadora brasileira que vive nos Estados Unidos sobre médicos poloneses terem denunciado a utilização de bebês órfãos Imagem: Fernando Zhiminaicela/ Pixabay

Do Projeto Comprova

29/10/2021 12h36Atualizada em 29/10/2021 12h41

É falso que médicos poloneses denunciaram a utilização de bebês órfãos em experimentos ilegais de "vacinas de engenharia genética" contra a covid-19. A autora da postagem é Karina Michelin, já verificada em checagens anteriores do Comprova, e na publicação verificada utiliza argumentos sem comprovação, desmentidos pelo Ministério da Saúde polonês e pela fabricante dos imunizantes.

Procurada pelo Comprova, a primeira conselheira de Missão da Embaixada da República da Polônia em Brasília, Renata Siuda-Ambroziak, afirmou que todos os estudos sobre o imunizante contra o coronavírus obtiveram autorização legal exigida pelas entidades de saúde e ética locais.

Além disso, um infectologista e professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) esclareceu que "engenharia genética" é o antigo nome dado à biologia molecular, utilizada tanto na fabricação de vacinas quanto de medicações, como a insulina.

Diferentemente da indução que o texto de Karina Michelin faz sobre o uso dessa técnica ser algo prejudicial, o especialista afirma que ela é utilizada por mais de 50 anos, sem prejuízos aos usuários dos fármacos.

A reportagem contatou a autora da postagem, para saber quais eram suas fontes e verificar a procedência das informações. Até o momento, não houve retorno.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos?

O Comprova contatou as farmacêuticas Pfizer e Moderna para checar se as informações citadas na publicação verificada procediam. Apenas a primeira retornou até o momento, com explicações sobre a não procedência das informações.

Em seguida, pesquisamos na internet sobre quem é Grzegorz Braun, o político citado na postagem. O Comprova pesquisou o perfil de Braun no Twitter para descobrir se, realmente, ele compartilhou informações a respeito de supostos experimentos ilegais com crianças órfãs polonesas, como divulgaram Karina Michelin, em sua página, e o grupo Médicos pela Vida, pelo Telegram.

Na sequência, a reportagem recorreu às checagens anteriores sobre publicações feitas por Michelin, para consultar as informações que haviam sido levantadas sobre ela. Buscas na internet também foram realizadas para conseguir dados sobre quem seria a jornalista e apresentadora, além do contato com ela. Até o momento, não houve retorno.

Depois, fez contato com o político Grzegorz Braun por meio do perfil dele no Twitter, na página pessoal que ele mantém na internet e, também, com o partido que ele diz presidir.

O passo seguinte consistiu em buscar respostas junto ao governo polonês procurando a Embaixada da Polônia em Brasília, a fim de confirmar a existência de tal pesquisa e saber se ela estaria sendo feita com crianças órfãs da covid-19 no país.

Por último, foi consultado Daniel Mansur, infectologista e professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), para que uma explicação científica sobre o assunto pudesse contextualizar e dizer se procedia ou não o uso de "engenharia genética" para a produção de vacinas.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 29 de outubro de 2021.

Verificação

O que diz o governo polonês

A equipe do Comprova contatou o Ministério da Saúde da Polônia, e também a Embaixada da Polônia em Brasília. Nos dois casos, enviamos o link do post do político Grzegorz Braun sobre a pesquisa realizada no país com crianças, e também o da postagem de Karina Michelin.

Em resposta, Renata Siuda-Ambroziak, primeira conselheira/vice-chefe da Missão da Embaixada da República da Polônia em Brasília confirmou que um ensaio clínico patrocinado pela BioNTech com a vacina Comirnaty está em andamento no país e que todos os protocolos legais foram cumpridos.

"O estudo é justificado cientificamente, descrito no protocolo do ensaio clínico e conduzido por pesquisadores - médicos com qualificação profissional adequada, conhecimento científico e experiência no trabalho com pacientes". Além disso, o pesquisador é responsável pela obtenção do consentimento consciente de cada participante do estudo.

A vice-chefe da missão acrescentou que, em abril deste ano, "o estudo obteve a autorização legalmente exigida junto ao Gabinete de Registo do PLWMiPB e o parecer favorável da comissão de ética, após cumprir os requisitos estabelecidos no regulamento que rege os ensaios clínicos de medicamentos".

A pesquisa tem três fases e o objetivo é determinar a dose e avaliar a segurança, a tolerabilidade e a imunogenicidade. O estudo de fase II/III é cego para observador controlado por placebo para determinar a segurança, a tolerabilidade e a imunogenicidade da vacina candidata de RNA Sars-CoV-2 contra covid-19 em crianças saudáveis

Quanto ao procedimento adotado para as pesquisas com crianças, a chefe da Missão explica que, os regulamentos poloneses preveem a necessidade de consentimento do representante legal da criança menor de 13 anos.

Quanto ao questionamento se Grzegorz Braun oficializou alguma denúncia, a representante da embaixada da Polônia em Brasília informou que, "até ao momento, o Gabinete não recebeu qualquer informação sobre quaisquer irregularidades a este respeito. (?) Braun emitiu perguntas e notificações oficiais. Na opinião do Instituto, as dúvidas decorrem do desconhecimento das disposições legais sobre ensaios clínicos de medicamentos."

Quem é Grzegorz Braun?

Grzegorz Micha? Braun é um político conservador do Sejm, a Câmara baixa do parlamento polonês. Concorreu nas eleições municipais de Gdansk, logo após o assassinato do então prefeito Pawel Adamowicz, ocorrido em 2019. Segundo reportagem da RFI, a plataforma de Braun foi "a defesa da Polônia da invasão migratória e das ordens da União Europeia".

No site que leva seu nome, ele diz ser graduado em Estudos Poloneses pela Universidade de Wroc?aw, onde também foi professor de jornalismo até 2007. Em 2015, concorreu ao cargo de presidente da República da Polônia.

No que consiste a denúncia?
O Comprova pesquisou o perfil de Grzegorz Micha? Braun no Twitter para descobrir se, realmente, ele tuitou sobre supostos experimentos ilegais com crianças órfãs polonesas, como divulgaram Karina Michelin e o grupo Médicos pela Vida.

Localizamos o post e, usando a ferramenta do Google Tradutor, identificamos que, o post, ele publica a imagem de um documento e cita o presidente do Escritório de Registro de Medicamentos, Dispositivos Médicos e Produtos Biocidas, Grzegorz Cessak, afirmando que, desde 27 de de abril, havia uma decisão do órgão "que permite a vacinação experimental 'anti covid' de crianças e bebês saudáveis — a sentença de "partes" é suficiente para toda a justificativa".

Após encontrar o documento postado pelo político, o Comprova recorreu ao Google Tradutor para descobrir como se escreve "crianças órfãs", "órfãs" ou "órfãos" em polonês e encontrou os seguintes termos: "osierocone dzieci", "sierota" e "sieroty". Não há nenhuma dessas palavras no post de Braun nem no documento postado por ele. Há, tão somente, a afirmação de que as autoridades autorizaram "a vacinação experimental anti covid de crianças e bebês saudáveis".

O Comprova quis saber de Braun qual era a crítica dele à pesquisa e se o documento postado fazia menção a crianças órfãs da covid. Os contatos foram feitos por meio de mensagens enviadas em seu perfil do Twitter e também para o Kon Federacja, partido do qual ele se apresenta como presidente. Além disso, nossa equipe enviou e-mail para a seção "contato" da página que ele mantém na internet. Até o fechamento desta matéria não houve retorno.

O que diz o infectologista

Diante da confirmação do governo polonês sobre a existência da pesquisa de vacina contra a covid-19 com crianças menores de 12 anos, o Comprova quis saber de um infectologista como são os protocolos de testes.

Daniel Mansur explica que é fundamental apresentar evidências dos ensaios de segurança durante o pedido de uso emergencial de vacina, capazes de assegurar que os imunizantes são seguros e eficazes.

O cientista descreveu ainda que esses mesmos ensaios costumam ser testados em grupos diversos de pessoas, iniciando a testagem — em linhas gerais — em pessoas a partir dos 18 anos e, à medida em que se apresentam indícios seguros e eficientes, outra faixa de idade é testada.

Ao ser questionado se era possível que crianças órfãs estejam sendo submetidas aos testes, como afirma a publicação de Karina Michelin, o infectologista afirma que a ação, caso estivesse de fato ocorrendo, não seria ética.

Terapia de "engenharia genética"

Diante dos questionamentos feitos na publicação sobre os imunizantes, o professor da UFSC disse que as vacinas são seguras e que, até agora, os efeitos colaterais que aparecem na maioria das pessoas são rápidos.

A engenharia genética faz parte da constituição de diversas vacinas, segundo explica o infectologista. Mansur diz ainda que este termo foi substituído por "biologia molecular".

"Pessoas mais de antigamente chamariam isso de engenharia genética [esse método de produzir imunizantes]. Isso não quer dizer que existe um problema. É uma técnica estabelecida há 40, 50 anos. Então, sim, a maioria delas é feita por engenharia genética, mas não existe nenhum problema relacionado".

A insulina e os anticorpos utilizados para tratar o câncer são exemplos que ilustram a utilização da biologia molecular no cotidiano, de acordo com o infectologista.

Quem é a autora do post verificado

A autora do post, replicado também no grupo do Telegram 'Médicos pela Vida', se apresenta no Linkedin como produtora e apresentadora de um programa de TV na Flórida, voltado para brasileiros interessados em compras e baladas em Miami.

Outras publicações de Karina já foram alvos de checagens do Comprova. No caso do vídeo postado por ela para dizer que a imprensa dá destaque para pesquisadores irrelevantes. Além de usar o índice-H — métrica que avalia a quantidade de citações de artigos científicos de um determinado pesquisador — de cientistas que estudam o novo coronavírus de forma equivocada, ela errou ao dizer que pesquisadores da Organização Mundial de Saúde (OMS) não têm citações acadêmicas.

O Comprova contatou a autora da postagem, para saber quais eram suas fontes e verificar a procedência das informações. Até o momento, não houve retorno.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O post verificado alcançou 1.500 curtidas e mais de 500 compartilhamentos no Twitter.

Publicações falsas, como a que foi aqui verificada, colocam a saúde da população em risco ao afirmar que a vacinação contra a covid-19 voltada para crianças é dispensável. Já foi comprovada em estudos de órgãos nacionais a eficácia das vacinas disponíveis atualmente contra a doença.

Isso fica claro na reação dos seguidores de Karina Michelin ao comentarem o post. "Querem destruir a todo custo quem não tem como se defender? literalmente", tuitou uma mulher que se apresenta como pastora.

Outro seguidor escreve: "Eugenia in progress", com o emoji da lupa.

O Comprova já verificou outros boatos como esse relacionados à vacina, como um tuíte que engana ao dizer que a vacina da Pfizer tem partículas contaminantes e a publicação que engana ao dizer que dados oficiais sobre a covid-19 em 2020 e 2021 apresentados pelo G1 comprovam a ineficácia das vacinas.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

O Comprova é um projeto integrado por 33 veículos de imprensa brasileiros que descobre, investiga e explica informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens. Envie sua sugestão de verificação pelo WhatsApp no número 11 97045 4984.