Violência em São Paulo

Alckmin atribui número de mortes violentas em SP ao tamanho da população e compara: "Aqui é maior que a Argentina"

Do UOL, em São Paulo

O governador Geraldo Alckmin classificou nesta quinta-feira (15) a repercussão sobre a onda de violência no Estado como "quase uma campanha contra São Paulo" e atribuiu os números de assassinatos e mortes praticamente diários ao tamanho da população paulista --pouco mais de 40 milhões de habitantes, segundo o Censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). "Aqui é maior que a Argentina; é a terceira maior metrópole do mundo [com capital e região metropolitana], com 22 milhões de pessoas", justificou o governador.

Onda de crimes no Estado de São Paulo
Veja Álbum de fotos

As afirmações do governador foram feitas no terminal Varginha, em Parelheiros (zona sul da capital), durante lançamento do edital de pré-qualificação para contratação da empresa que executará as obras de ampliação da linha 9-Esmeralda da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), no trecho entre Grajaú e Varginha, na zona sul da capital.

Para o governador, classificar a onda de violência no Estado como uma "guerra" entre criminosos e policiais --quase 200 civis e mais de 90 policiais já foram assassinados –é "quase uma campanha contra São Paulo". "É preciso dar o devido [critério], se não, se cria uma situação muito injusta, quase que uma campanha contra São Paulo. E não é possível fazer isso e ainda criar uma situação de pânico na população", defendeu.

O Grajaú que será beneficiado pela obra da CPTM anunciada por Alckmin, por sinal, foi um dos palcos da violência dessa madrugada. De seis pessoas mortas na capital e Grande SP, por exemplo, duas morreram no bairro --onde três haviam sido baleados. Outras quatro mortes ocorreram na Penha (zona leste da cidade), Pirapora do Bom Jesus e Itapevi (ambas, na região metropolitana).

Além da capital e Grande SP, a madrugada também foi violenta no interior: em Araraquara, por exemplo, cinco pessoas foram assassinadas com sinais de execução.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos