PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Ex-amante de Bruno nega sequestro de Eliza e do bebê; relato bate com versão de Macarrão

Guilherme Balza

Do UOL, em Contagem (MG)

22/11/2012 16h31Atualizada em 22/11/2012 19h15

Em depoimento que durou mais de três horas na tarde desta quinta-feira (22), no Fórum de Contagem (região metropolitana de Belo Horizonte), a ré Fernanda Castro, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes, negou ter participado do sequestro de Eliza Samudio e seu filho com o goleiro Bruno.

Fernanda disse que somente tomou conhecimento da execução de Eliza Samudio após depoimento de Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, dadas durante depoimento na madrugada desta quinta-feira (22). A mulher afirmou que se inteirou das declaração dele pela imprensa. "Só tive certeza de que Eliza foi executada ontem, pelas declarações do Luiz Henrique", afirmou.

Ela é acusada pelos crimes de sequestro e cárcere privado de ambos. Segundo a Polícia Civil e o Ministério Público, Fernanda ajudou a manter Eliza e a criança dentro do sítio do goleiro em Esmeraldas (MG).

A juíza Marixa Fabiane perguntou, na abertura de seu interrogatório, se a denúncia contra ela é verdadeira. “Não senhora.” Questionada porque acha que está sendo denunciada, ela respondeu: "Sinceramente, não sei lhe responder".

A interrogada afirmou que só esteve no sítio do goleiro em Esmeraldas na madrugada e manhã de 7 de junho de 2010, quando dormiu lá a pedido do goleiro. “Essa foi a única vez que fomos ao sítio”.

No dia anterior, ela assistiu ao jogo do time 100%, patrocinado por Bruno, em Ribeirão das Neves (MG), e passou o restante do dia em um bar com o jogador e amigos. De acordo com Fernanda, Eliza Samudio esteve no jogo do time, junto com o filho. Por volta de 1h, ela foi com Bruno para o sítio.

Segundo Fernanda, Eliza já estava no sítio desde a tarde, pois teria pedido a Macarrão que a levasse por estar cansada.

Às 9h30, Macarrão passou no sítiol para levá-la ao Rio de Janeiro, já que teria mesmo que ir a cidade para devolver uma BMW que Bruno fez test drive durante o final de semana. A última vez que teria visto a ex-modelo e a criança foi na manhã do dia seguinte, quando Eliza estava sentanda do lado de fora da casa do sítio do goleiro, segundo a ré.

Veja como foi cada dia do julgamento

1º diaMarcos Aparecido dos Santos, o Bola, fica sem advogado depois que Ércio Quaresma se recusa a fazer sua defesa preliminar no tempo estabelecido pela juíza. Bola, então, rejeita um defensor público. Com isso, ele tem seu julgamento adiado para data ainda a ser definida
 A juíza dispensa sete jurados que participaram de outro júri de Bola e o absolveram da morte de um carcereiro
 Fernando Diniz, advogado do Luiz Henrique Romão, o Macarrão, também ameaçou abandonar a defesa, mas voltou atrás
 Também nesta segunda-feira foram definidos os sete jurados que decidirão o futuro dos réus. O corpo de jurados ficou definido com seis mulheres e um homem
2º dia O segundo dia do júri do caso Eliza Samudio foi marcado pela substituição de um dos advogados do goleiro Bruno Fernandes e terminou com um momento de intimidade entre o ex-jogador e sua atual namorada Ingrid Oliveira.
  Bruno dispensou o advogado Rui Pimenta, que disse estar surpreso.
 A sessão de hoje foi marcada também pelo choro de Dayanne de Souza, ex-mulher do jogador, e Fernanda de Castro, ex-amante do goleiro, ambas acusadas de participação no desaparecimento de Eliza Samudio.
 Por um pedido da Promotoria, a juíza Marixa Fabiane decidiu desmembrar o julgamento de Dayanne, de modo que o advogado Francisco Simim passasse a defender apenas Bruno neste júri. Com isso, ela será julgada em outra data.
  A juíza Marixa Fabiane aplicou uma multa de R$ 18,7 mil para os três advogados de Bola, que abandonaram o júri.
3º dia Em outro dia tumultuado, o ex-goleiro Bruno conseguiu ter seu julgamento desmembrado. Ele será julgado em 4 de março de 2013.
  Macarrão depõe e incriminou Bruno. Ele disse que o ex-goleiro pediu para ele levar Eliza para um local perto da Toca da Raposa. Lá, ela desceu do carro que ele dirigia e foi colocada em um Pálio preto. Ele, no entanto, não disse textualmente que Eliza está morta.
4º dia No quarto dia do julgamento, só Fernanda Castro, ex-amante de Bruno, prestou depoimento. Ela disse que só soube da morte de Eliza por causa do depoimento de Macarrão, dado na quinta-feira (22), na madrugada.

“Em nenhum momento desconfiei que iria acontecer alguma coisa com a Eliza e com o Bruninho”, disse Fernanda.

Versão bate com a do Macarrão

A versão de Fernanda sobre os acontecimentos da noite do dia 4 de junho, quando o então menor Jorge Rosa teria agredido Eliza Samudio, até a manhã de 7 de junho, bate em grande parte com o relato apresentado por Macarrão em seu interrogatório.

A única contradição com o depoimento de Macarrão ocorreu quando Fernanda afirmou não ter notado ferimentos em Jorge na noite de 4 de junho. O réu afirmou, em seu interrogatório, que Jorge e Eliza brigaram feio dentro do carro e ele teria ficado com os braços arranhados.

Depois da briga, Fernanda disse ter sido chamada por Macarrão para cuidar do filho de Eliza, para que ele pudesse comprar remédio tratar do nariz da ex-modelo, que ficou ferido após a agressão de Jorge.

Fernanda relatou que cuidou de Bruninho para que Eliza recebesse os cuidados. Ela diz ter alimentado e dormido com a criança. No dia seguinte, 5 de junho,à noite, ela, Eliza, Macarrão, Bruno e Jorge foram para Minas Gerais, onde no dia seguinte haveria uma partida do time 100%, patrocinado por Bruno.

Após chegar em Belo Horizonte, ela e Bruno teriam ido para a casa da avó do goleiro, enquanto Macarrão ficou em um motel. O goleiro teria desistido de dormir na casa da avó e convidou Fernanda para conhecer Ribeirão das Neves, cidade em que ele cresceu. De acordo com a ré, ambos foram a casa de um amigo do goleiro e depois a um bar, antes de ir para o motel, onde coincidentemente Macarrão, Eliza e Jorge dormiam.

No dia seguinte, a ré diz ter ido ao jogo do time 100% em Ribeirão das Neves, acompanhado também por Eliza e o filho, segundo a interrogada. Depois do jogo, ela foi para o bar, junto com os jogadores do time e amigos. Já de madrugada, deixaram o local e foram dormir no sítio.

Segundo Fernanda, ela iria voltar de avião para o Rio na noite do dia 6, mas foi convencida por Bruno a ir no dia seguinte, de carro, com Macarrão.

A ré negou ter rivalidade com Eliza Samudio, após questionamento do promotor Henry Castro. Se eu era rival amorosa dela eu não tenho conhecimento, porque acredito que nem relacionamento com o Bruno ela tinha”, disse Fernanda.

“Não tenho interesse nenhum em fazer acordo com o Ministério Público, e acredito que o Ministério Público não teria interesse em fazer isso, porque ela está aqui apenas em busca da verdade e da Justiça”, afirmou, aos prantos.

Cotidiano