Topo

Médica que atendeu ciclista atropelado clama por punição: "chegamos ao nosso limite"

Reprodução
Post publicado no Facebook por Rachel Baptista Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

2013-03-10T23:55:30

10/03/2013 23h55

Por meio de sua página no Facebook, a médica Rachel Baptista, da equipe do Hospital das Clínicas que atendeu o ciclista atropelado na manhã deste domingo (10) na av. Paulista, pediu a “punição” do motorista e o chamou de “monstro”.

David Santos de Souza, 21, teve o braço decepado no acidente. O motorista, o estudante de psicologia Alex Siwek, 22, fugiu sem prestar socorro e, depois, jogou o braço da vítima em um córrego da zona sul.

De acordo com a polícia, testemunhas afirmam que o motorista havia bebido e trafegava em "velocidade incompatível com a via", dirigindo em zigue-zague.

"Sou totalmente a favor da lei seca e de tolerância zero. Não há como ter brechas permitindo pessoas totalmente irresponsáveis dirigirem nestas condições. Tem que haver justiça neste país", escreveu, referindo-se, provavelmente, ao fato de o motorista ter se recusado --com o amparo da lei-- a fazer o teste do bafômetro.

O UOL não conseguiu contato com a médica às 23h40 deste domingo. O Hospital das Clínicas confirmou que Rachel Baptista faz parte da equipe que atendeu o ciclista.

“Sinto muito, mas chegamos ao nosso limite. Sinto pela família e pelo paciente”, concluiu Rachel.

A médica abriu seu post chamando o motorista de monstro. "Quero manifestar a minha indignação quanto à atitude desse monstro que atropelou o ciclista na avenida Paulista e que inviabilizou a chance desse menino de 21 anos de tentar recuperar o braço”, escreveu.

“Estávamos prontos para tentar o reimplante e infelizmente a polícia, juntamente com os bombeiros, não conseguiram encontrar o braço no rio”, completou.

Alex Siwek está detido e foi encaminhado na noite deste domingo ao 2º DP (Bom Retiro), na região central da capital. Ele deverá ser indiciado por quatro crimes: tentativa de homicídio doloso (por ter assumido o risco de matar), omissão de socorro, embriaguez ao volante e fraude processual (porque tentou se desfazer do braço da vítima).

O acidente

O acidente ocorreu na altura da estação Brigadeiro do metrô, na ciclofaixa sentido Paraíso da avenida Paulista, por volta das 5h30 deste domingo (10). Nesse horário, a ciclofaixa de lazer da avenida ainda está desativada --o horário de funcionamento da faixa exclusiva para ciclistas é das 7h às 16h, aos domingos e feriados--, mas os cones que a separam das demais vias já tinham sido colocados.

O motorista fugiu do local levando o braço da vítima no veículo. Posteriormente, jogou o membro em um córrego da rua Ricardo Jafet, na zona sul da cidade. À polícia o motorista disse que o braço da vítima caiu dentro do carro, mas que só percebeu a presença do membro mais tarde.

Depois, Siwek se apresentou ao 3º batalhão da PM, na Saúde. Na tentativa de encontrar o braço do ciclista, os policiais refizeram, com Siwek, o trajeto realizado pelo motorista, mas o membro não foi encontrado.

Mais Cotidiano