PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

PMs envolvidos na morte de mulher que foi arrastada no Rio são libertados

Do UOL, no Rio de Janeiro

21/03/2014 12h29Atualizada em 21/03/2014 13h03

Os policiais militares Alex Sandro da Silva Alves, Adir Serrano Machado e Rodney Miguel Archanjo - envolvidos na morte de Cláudia Silva Ferreira, 38, baleada no Morro da Congonha, zona norte do Rio e posteriormente arrastada pelo carro da PM no caminho para o hospital – foram libertados do presídio de Bangu 8, de acordo com informações da Secretaria de Administração Penitenciária.

Eles haviam sido presos em flagrante no domingo, por determinação do comando do 9º Batalhão da PM, que os enquadrou no crime de "deixar, no exercício de função, de observar lei, dando causa direta à prática de ato prejudicial à administração militar", previsto no artigo 324 do Código Penal Militar. O comando considerou inadequada a forma como os PMs socorreram Claudia, que foi colocada dentro do porta-malas do carro, que abriu com o veículo em movimento.

O advogado Jorge Carreiro Mendes, que defende o policial Rodney Miguel Archanjo, disse os policiais não perceberam que a porta estava aberta por causa da sirene do veículo. "Prezaram pela agilidade porque queriam salvar a vida dela", disse.

Antes do acidente, diz o defensor, moradores tentaram abrir a porta traseira da viatura para acompanhar a vítima, que havia sido baleada. Segundo Mendes, os PMs fecharam a porta e a vítima estava viva antes da saída do veículo.

Causa da morte

A causa da morte de Cláudia foi um tiro levado durante operação da PM. Essa é a conclusão do laudo do IML (Instituto Médico Legal), que ainda realizará perícias complementares.

Segundo a Polícia Civil, consta no documento de óbito que a causa foi uma "laceração cardíaca e pulmonar de ferimento transfixante do tórax por ação perfurocortante".

Cotidiano